Busca avançada
Ano de início
Entree

Interpretação analítico-comportamental da inferência dedutiva nas formas silogísticas, a partir da teoria das molduras relacionais

Processo: 14/24270-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2015
Vigência (Término): 30 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Experimental
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Júlio César Coelho de Rose
Beneficiário:Jaume Ferran Aran Cebria
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Análise do comportamento   Comportamento verbal

Resumo

O livro "Verbal Behavior" de Skinner (1957) constitui um marco fundamental para o estudo da linguagem e da cognição desde uma perspectiva analítico-comportamental. Porém, relativamente poucos estudos empíricos tem se baseado nele. Outros paradigmas têm surgido na análise do comportamento para estudar fenômenos relativos à linguagem e pensamento, como a Equivalência de Estímulos, que tem se demonstrado altamente produtivo no que tange ao estudo de formação de conceitos e significado. A Teoria das Molduras Relacionais é uma proposta relativamente recente na tradição comportamental que, apesar de algumas críticas, parece apresentar, com base em um crescente número de estudos empíricos, uma grande potencialidade para o estudo de fenômenos verbais e cognitivos envolvendo estímulos complexos, como sentenças ou encadeamentos de sentenças. Nesse sentido, esta nova abordagem, que define a linguagem como a ação de emoldurar eventos de forma relacional, pode fornecer o marco teórico adequado para o estudo dos silogismos, que são formas de organizar certos tipos de sentenças para expressar inferências de tipo dedutivo. Aristóteles descreveu e classificou esses silogismos nos "Analíticos posteriores", considerando características abstratas dos diversos tipos de sentenças que os compõem e a relação entre elas, mas não o significado das palavras que constituem as sentenças. Desta forma, a lógica aristotélica se constitui em um sistema formal, em que é fundamental a organização dos elementos e não o valor semântico desses elementos em si. Isso pode qualificar os silogismos aristotélicos para serem estudados e descritos em termos de operantes verbais generalizados puramente funcionais, concretamente, como um novo tipo de moldura relacional. Considerando tudo o anterior, o objetivo deste projeto consiste em formular uma interpretação analítico comportamental dos silogismos aristotélicos baseada na teoria das molduras relacionais que contribuiria para o desenvolvimento desta teoria. Como tal, se trata de um estudo teórico pautado no método de investigação epistemológica cujo objeto de estudo será, por um lado, a literatura analítico-comportamental sobre comportamento verbal, particularmente com foco na Teoria das Molduras Relacionais e, pelo outro, as obras de Aristóteles e comentadores que descrevem as formas de raciocínio silogístico. (AU)