Busca avançada
Ano de início
Entree

Anatomia foliar comparada de quatro espécies de Chresta Vell. ex DC. (Vernonieae, Asteraceae) da Caatinga e do cerrado

Processo: 15/03907-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Pesquisador responsável:Gladys Flávia de Albuquerque Melo de Pinna
Beneficiário:Nivea Nagamine Pinheiro
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Asteraceae   Anatomia vegetal   Vernonieae

Resumo

Sendo a maior de todas as famílias de plantas, Asteraceae conta com representantes que ocupam variados nichos ecológicos, o que se reflete na grande plasticidade fenotípica que usualmente se manifesta na estrutura interna de seus órgãos vegetativos. Na tribo Vernonieae, a subtribo Chrestinae conta com o gênero Chresta, cujas quatorze espécies se dividem em dois grupos quase exclusivos da Caatinga e do Cerrado, que podem ser especialmente distinguidos por características de suas folhas. Neste contexto, o presente projeto visa realizar um estudo comparativo da anatomia foliar de quatro espécies de Chresta, sendo duas de ocorrência no Cerrado e outras duas na Caatinga. Para tanto, cortes à mão serão realizados a partir de folhas completamente expandidas. O material será corado com azul de toluidina ou com dupla coloração de azul de alcião e safranina. As folhas também serão diafanizadas para estudo da venação. Os dados obtidos serão organizados em uma matriz de caracteres binários e, a partir desta, será feita uma análise comparativa e descritiva. Os resultados colaborarão com um projeto de doutorado que visa ao estudo da sistemática e evolução da subtribo. Espera-se que a caracterização da estrutura anatômica das diferentes espécies forneça não só subsídios a estudos taxonômicos como também possa levantar uma possível discussão adaptativa relacionada aos fatores ambientais a que estas espécies são expostas no Cerrado e na Caatinga, ambientes tão negligenciados apesar de sua grande importância na composição da biodiversidade brasileira.