Busca avançada
Ano de início
Entree

Transtorno mental comum em familiares cuidadores de pacientes com demência

Processo: 15/06560-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2015
Vigência (Término): 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Alessandro Ferrari Jacinto
Beneficiário:Luana Moraes Campos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Cuidadores de idosos   Idosos   Demência

Resumo

O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial. Segundo Carvalho & Garcia (2003), nos dias de hoje, o cenário da população brasileira tem se modificado, pois, até então, tínhamos uma população predominantemente jovem e, com o declínio da fecundidade, o ritmo de crescimento anual do número de nascimentos entrou em decadência, o que fez com que se iniciasse um processo contínuo de estreitamente da base da pirâmide etária, consequentemente, de envelhecimento da população. A partir dessas premissas, considera-se que, com o avançar da idade, aumentam as chances de determinadas doenças, como as doenças cardíacas, alguns tipos de câncer, dentre outros. Dentre as doenças comuns em idosos, verifica-se a demência, sendo essa dividida em quatro tipos: demência de Alzheimer, demência frontotemporal, demência dos corpúsculos de Lewy e demência vascular (Almeida, 2012). O termo demência deriva do latim "de-mentis" (perder a mente) e, ao longo da história da medicina, foi usado de diversas maneiras, sempre em relação à perda da razão e da memória (Goldfarb, 2006). Em famílias onde existe um idoso com demência, é comum os familiares se sentirem enganados ou manipulados pelo paciente quando este recebe o diagnóstico, porém, a pessoa que se demencia sofre de angústia, já a família nega a gravidade da situação e sofre com a incerteza e a sentença de irreversibilidade (Goldfarb, 2006). Portanto, destaca-se a importância do cuidado da família na promoção da integração do idoso uma vez que o cuidador é também filho, esposa (o), irmã (o), enquanto o idoso executa o papel correspondente, contrariamente ao que acontece em uma instituição, em que ele é apenas o receptor de um cuidado profissional. Diante disso, o presente trabalho tem por objetivo identificar o transtorno mental comum em familiares cuidadores de idosos com diagnóstico de demência. Segundo Santos (2002), transtorno mental comum (TMC) refere-se à situação de saúde onde um indivíduo não preenche os critérios formais para diagnósticos de depressão e/ou ansiedade segundo as classificações DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual of MentalDisorders - Fourth Edition) e CID-10 (Classificação Internacional de Doenças - 10a Revisão), porém apresenta sintomas proeminentes que trazem uma incapacitação funcional comparável pior do que quadros crônicos já bem estabelecidos. Trata-se de um estudo exploratório, com dados primários, de caráter transversal. O estudo será realizado no Centro de Saúde Escola da Unesp (CSE-FMB), local onde funciona o ambulatório de geriatria no município de Botucatu (SP). Os instrumentos utilizados serão o SRQ-20 (Self-Reporting Questionnaire), HAD (Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão) e MEEM (Mini Exame do Estado Mental), este último em caso de cuidadores maiores de 65 anos, visando avaliar as funções cognitivas. Os dados serão apresentados em gráficos e tabelas em números brutos e relativos e o projeto de pesquisa será submetido à análise do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB-UNESP). (AU)