Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise estrutural e funcional do pênis e da próstata de espécies de morcegos neotropicais

Processo: 15/06923-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2015
Vigência (Término): 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Eliana Morielle Versute
Beneficiário:Manuela Tosi Comelis Martins
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Morcegos   Chiroptera   Pênis   Morfologia animal   Imuno-histoquímica

Resumo

A Ordem Chiroptera é a segunda maior Ordem de Mammalia, e apesar da ampla radiação e de avanços nos estudos com enfoques evolutivos neste grupo, os aspectos relativos à biologia reprodutiva ainda são muito pouco explorados, principalmente aqueles relacionados as glândulas reprodutivas acessórias (GRAs), suas as relações funcionais com as variações reprodutivas sazonais, comuns em muitas espécies, e a morfologia do órgão copulatório, o pênis, que sabidamente é responsável pelo sucesso da cópula nesses animais. Dessa maneira é objetivo deste projeto analisar o complexo prostático e o pênis de espécies de morcegos pertencentes às principais famílias encontradas no Brasil: Vespertilionidae, Molossidae e Phyllostomidae. Para tanto as próstatas de espécimes machos adultos de Molossus molossus e Eptesicus furinalis e os pênis de espécimes machos adultos de Artibeus lituratus, Artibeus planirostris, Carollia perspicillata, Glossophaga soricina, Eptesicus furialis e Molossus rufus serão avaliadas, procurando assim traçar um panorama anatômico, histológico e histoquímico comparativos das estruturas com bases em descrições detalhadas através de análises macroscópicas, microscópicas e ultra-estruturais; levando em conta, a avaliação das possíveis influências de sazonalidade e concentração sérica hormonal de esteroides sexuais sobre a glândula ao longo do ano. Para o pênis, será dada ênfase para a caracterização da glande peniana, do báculo, ou osso peniano, e do tecido cavernoso difuso. Essas análises completam uma série de estudos que permitirão avaliar os aspectos estruturais dos órgãos reprodutivos do grupo, objetivando uma melhor compreensão dos relacionamentos filogenéticos dentro de Chiroptera. Com base nessas informações, acreditamos que estudos ampliados sobre a histofisiologia da próstata e do órgão copulador masculino em espécies de quirópteros brasileiros venham contribuir para o entendimento da biologia reprodutiva desses animais Aliado a isso, ressalta-se a grande importância de estudos sobre a morfofisiologia do sistema reprodutor desses animais aliados a parâmetros ambientais sistematizados como a sazonalidade, de maneira que possam ser implementados numa análise conjunta aos parâmetros anatômicos e histológicos, proporcionando assim uma maior amplitude de avaliação ecológica e evolutiva dentro de Chiroptera. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
COMELIS, MANUELA T.; BUENO, LARISSA M.; GOES, REJANE M.; TABOGA, S. R.; MORIELLE-VERSUTE, ELIANA. Morphological and histological characters of penile organization in eleven species of molossid bats. ZOOLOGY, v. 127, p. 70-83, APR 2018. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MANUELA TOSI COMELIS MARTINS. Análise estrutural e funcional do pênis e da próstata de espécies de morcegos neotropicais. 2019. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.