Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização dos genes relacionado ao câncer em tecidos normais e construção de um banco de dados

Processo: 15/10529-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Pedro Alexandre Favoretto Galante
Beneficiário:Vanessa Candiotti Buzatto
Instituição-sede: Hospital Sírio-Libanês. Sociedade Beneficente de Senhoras (SBSHSL). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Biologia computacional   DNA de neoplasias   Regulação da expressão gênica   Genes   Plataforma (computação)   Organização da informação   Banco de dados   Análise de sequência de DNA

Resumo

Atualmente, graças as novas plataformas de sequenciamento de DNA e capacidade de análises de genomas tumorais, conhecemos grande parte dos genes relacionado ao processo de aparecimento e manutenção de tumores humanos, tais como TP53, ERBB2, KRAS, APC, RB e PTEN (aqui chamados de "genes de câncer"), entre muitos outros. Estes genes de câncer, quando alterados podem funcionar como oncogenes ou deixar de ter funções de suprimir características tumorais de uma célula. Apesar de já conhecermos muitas das mutações somáticas e expressões aberrantes afetando estes genes, sabemos muito pouco sobre o seu perfil em condições normais. Por exemplo, não sabemos em quais tecidos muitos dos genes de câncer são expressos de maneira constitutiva, quais são suas variações pós transcricionais e seus polimorfismos normalmente encontradas na população humana. Também não temos bons bancos de dados para mostrar estas informações de maneira amigável e integrada. Neste trabalho, estamos propondo obter, organizar e disponibilizar diversas informações, provenientes de condições normais, dos genes de câncer. Iremos construir um banco de dados com uma interface web onde o usuário poderá obter informações dos genes de câncer em pelo menos 16 tecidos normais, suas isoformas de splicing, os seus polimorfismos e frequência alélica em diversas populações, entre outras informações. Acreditamos que esta ferramenta, ainda inédita, será de grande valia para comunidade científica que trabalha na área de câncer.