Busca avançada
Ano de início
Entree

LEKTI: novo marcador prognóstico no carcinoma de boca

Processo: 15/06603-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2015
Vigência (Término): 30 de abril de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Katiuchia Uzzun Sales
Beneficiário:Marcia Gaião Alves
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/06316-2 - Estudo genético da via proteolítica da matriptase em câncer de cabeça e pescoço, AP.JP
Assunto(s):Oncologia   Biomarcadores tumorais   Carcinoma   Neoplasias bucais   Imuno-histoquímica   Serina proteases

Resumo

O carcinoma de boca é o sétimo tipo de câncer mais comum no Brasil e acomete cerca de 15.000 pacientes ao ano. Apesar dos avanços feitos nesta área nos últimos anos, o tratamento deste tipo de câncer ainda é inespecífico. Importantemente, não há biomarcadores conhecidos capazes de prognosticar a agressividade desta neoplasia maligna. Como consequência, a cirurgia realizada para a retirada da lesão acontece de forma agressiva, com perdas funcionais imensas para o paciente, devido a presença de estruturas muito nobres próximas a esta região (exemplos: deglutição, visão, olfato e audição). Nos últimos anos, várias serino-proteases, entre elas a matriptase, têm sido associadas com os carcinomas de diferentes origens; i.e. carcinoma de boca, mama e ovário. Em trabalho recente, nós mostramos que o inibidor de serino-proteases LEKTI (lympho-epithelial kazal-type inhibitor), inibe de forma eficiente, a via proteolítica da serino-protease matriptase, na epiderme. Ainda, nossos resultados preliminares, utilizando a indução química de carcinogênese por aplicação tópica de DMBA (7,12-Dimethylbenz(a)anthracene), mostram que o LEKTI se encontra aumentado nestes tumores malignos, principalmente nas células mais bem diferenciadas. No presente estudo, avaliaremos a expressão imunoistoquímica de LEKTI em arrays de tecido oriundos de carcinomas de cabeça e pescoço associados ou não ao vírus do HPV. Estes dados imunoistoquímicos serão, posteriormente, associados à informação clínica disponível destes pacientes.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.