Busca avançada
Ano de início
Entree

Refusão superficial a laser da liga com memória de forma Cu-11.85Al-3.2Ni-3Mn (% peso)

Processo: 15/04134-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de julho de 2015
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2017
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Metalurgia Física
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Claudemiro Bolfarini
Beneficiário:Murillo Romero da Silva
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/05987-8 - Processamento e caracterização de ligas metálicas amorfas, metaestáveis e nano-estruturadas, AP.TEM
Assunto(s):Mudança de fase   Propriedades mecânicas   Ligas metálicas   Cobre

Resumo

Ligas com memória de forma (LMF) são ligas metálicas que sofrem transformação martensítica devido a uma solicitação externa (temperatura, tensão, deformação ou campo magnético) e são capazes de recuperar deformações permanentes quando aquecidas acima de uma temperatura crítica. Dentre as ligas com memória de forma mais utilizadas se destacam aquelas à base de Ti e Ni e aquelas à base de Cu. Essas à base de Cu apresentam vantagens quando comparadas com aquelas à base de Ti e Ni devido a melhor condutividade térmica e elétrica, menor custo de produção e uma maior facilidade de processamento (ligas à base de Ti e Ni apresentam grande reatividade com oxigênio). A principal desvantagem das LMF à base de cobre quando comparadas com as ligas à base de Ti e Ni é a baixa ductilidade. Uma forma de melhorar essa propriedade é promover uma diminuição do tamanho de grão e uma redução de segregações microestruturais. Isso pode ser obtido com o tratamento de refusão superficial a laser, onde a superfície do material é refundida pelo feixe de laser e solidificada sob altas taxas de resfriamento (da ordem da 1010 K/s), dependendo dos parâmetros utilizados. Um refinamento microestrutural da superfície também propicia um aumento da resistência mecânica do material e também afeta as características da transformação martensítica e o efeito de memória de forma, visto que a temperatura de transformação martensítica é inversamente proporcional ao tamanho de grão. Nesse contexto, o objetivo do presente trabalho é analisar a influência do tratamento de refusão superficial a laser na microestrutura, na estabilidade térmica e nas propriedades mecânicas de placas da liga com memória de forma Cu-11.85Al-3.2Ni-3Mn (% peso) obtidas através de fundição por sucção. As amostras serão caracterizadas por microscopia óptica e eletrônica de varredura, calorimetria diferencial de varredura, difração de raios X, difração de elétrons retroespalhados, tomografia por raios X, ensaio de tração e microdureza. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DA SILVA, MURILLO ROMERO; GARGARELLA, PITER; WOLF, WITOR; GUSTMANN, TOBIAS; KIMINAMI, CLAUDIO SHYINTI; PAULY, SIMON; ECKERT, JUERGEN; BOLFARINI, CLAUDEMIRO. Microstructural Characterization of a Laser Surface Remelted Cu-Based Shape Memory Alloy. MATERIALS RESEARCH-IBERO-AMERICAN JOURNAL OF MATERIALS, v. 21, n. 3, p. -, Jun. 2018. Citações Web of Science: 0.
Microstructural Characterization of a Laser Surface Remelted Cu-Based Shape Memory Alloy. MATERIALS RESEARCH-IBERO-AMERICAN JOURNAL OF MATERIALS, n. ahead, p. -, 2018.
DA SILVA, MURILLO ROMERO; GARGARELLA, PITER; GUSTMANN, TOBIAS; BOTTA FILHO, WALTER JOSE; KIMINAMI, CLAUDIO S.; ECKERT, JUERGEN; PAULY, SIMON; BOLFARINI, CLAUDEMIRO. Laser surface remelting of a Cu-Al-Ni-Mn shape memory alloy. MATERIALS SCIENCE AND ENGINEERING A-STRUCTURAL MATERIALS PROPERTIES MICROSTRUCTURE AND PROCESSING, v. 661, p. 61-67, APR 20 2016. Citações Web of Science: 16.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.