Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos de dieta obesogênica sobre proteínas da via inflamatória e do sistema serotoninérgico: estudo in vivo, em hipocampos da prole de camundongos, e in vitro em cultura de neuroblastos

Processo: 15/08441-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2015
Vigência (Término): 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Desnutrição e Desenvolvimento Fisiológico
Pesquisador responsável:Cristiano Mendes da Silva
Beneficiário:Clarissa Tavares Dias
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Serotonina   Hipocampo   Inflamação   Dieta hiperlipídica

Resumo

Evidências crescentes sugerem que o ambiente perinatal pode ser especialmente importante em moldar os resultados tanto para a saúde quanto para doença ao longo da vida. A literatura científica tem adotado nomenclaturas diferentes para explicar a incidência da obesidade na vida adulta associando com eventuais estímulos ambientais adversos ocorridos no início da vida, tais como a exposição precoce a dieta(s) hiperlipíca(s) (DHL) ou obesogênicas. Muitos artigos têm denominado este fenômeno de "programação metabólica ou fetal", ou "plasticidade fenotípica ou desenvolvimental". O estado nutricional e/ou a nutrição materna durante a gestação e lactação é considerado um importante indutor da "programação metabólica ou plasticidade fenotípica" tanto em animais como em seres humanos. Dados epidemiológicos nacionais e internacionais são alarmantes, demonstrando aumento da prevalência de obesidade e/ou sobrepeso, associados à alta ingestão de DHL em mulheres em idade reprodutiva, gestantes e/ou lactantes. A exposição materna a DHL traz riscos significantes à saúde da prole, os quais podem se manifestar na vida adulta, resultando em: síndrome metabólica, doenças cardiovasculares e distúrbios neurológicos. Portanto, é essencial investigar eventuais efeitos da DHL materna sobre o desenvolvimento encefálico de fetos e recém-nascidos. A exposição precoce a DHL materna pode afetar morfológica e funcionalmente o sistema nervoso central (SNC) da prole, promovendo déficits cognitivos e atraso no desenvolvimento neurológico. O consumo de DHL têm também induzido danos sobre a aprendizagem e a memória associados com inflamação hipocampal. Conforme estudos de Niculescu e Lupu (2009) a prole de camundongos provindos de mães alimentadas com DHL durante a prenhes apresentaram diminuição da neurogênese e diferenciação neuronal no hipocampo. Contudo, apesar das recentes e promissoras descobertas, ainda existe escassez de informações sobre os possíveis mecanismos moleculares envolvidos nos danos hipocampais sofridos pela prole de mães obesas expostas a DHL durante a gestação e a lactação. A plasticidade desenvolvimental do cérebro da prole modulada pela dieta perinatal materna parece ser "programada" por mecanismos inflamatórios relacionados com a obesidade e dietas hiperlipídicas, ambas as situações nutricionais estão independentemente associadas com níveis sistêmicos aumentados de mediadores inflamatórios. Devido ao papel dual reconhecido destas moléculas imunitárias (por exemplo, interleucinas [IL]-6, IL-1²) na função placentária e no desenvolvimento cerebral, qualquer perturbação do seu delicado equilíbrio com fatores de crescimento ou neurotransmissores (como por exemplo, a serotonina ou 5-hidroxitriptamina, 5-HT) causado por eventos inflamatórios no início da vida pode alterar permanentemente a trajetória de desenvolvimento do cérebro fetal. Ademais, o desenvolvimento do sistema neurotransmissor da 5-HT, importante modulador neurotrófico e comportamental, tem também demonstrado sensibilidade aos altos níveis de citocinas circulantes. Vários aspectos do desenvolvimento cerebral, incluindo a migração neuronal, neurogênese e sinaptogênese são regulados pelo sistema da 5-HT.O aumento de adiposidade na obesidade promove elevação de marcadores da inflamação, incluindo a proteína reativa C, IL-6, IL-1², e o fator de necrose tumoral alfa (tumor necrosis factor-± [TNF-±]). Assim sendo, investigar a associação entre a dieta hiperlipídica materna durante a gestação e lactação, com proteínas da via de inflamação e do sistema serotoninérgico nos parece de significante relevância clínica e científica.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.