Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise genômica da levedura xilanolítica Pseudozyma brasiliensis

Processo: 14/15799-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2015
Vigência (Término): 30 de novembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Gustavo Henrique Goldman
Beneficiário:Renato Augusto Corrêa dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/13968-1 - Melhoramento da reconstrução de rede metabólica de Kalmanozyma brasiliensis e simulações metabólicas associadas, BE.EP.MS
Assunto(s):Genômica   Bioetanol   Pentoses   Biologia de sistemas

Resumo

O Brasil é responsável por 33% da produção de bioetanol no planeta e domina a tecnologia de sua produção utilizando hexoses e seus dissacarídeos, presentes em cana-de-açúcar. O uso de pentoses presentes na biomassa lignocelulósica, como bagaço de cana-de-açúcar, é uma opção economicamente promissora para a produção de bioetanol de segunda geração. No entanto, linhagens industriais de Saccharomyces cerevisiae, usualmente empregadas no processo de fermentação etanólica não são naturalmente capazes de fermentar pentoses eficientemente. A família Ustilaginaceae (Basidiomycota) possui membros com alto potencial biotecnológico, incluindo as leveduras do gênero Pseudozyma. Recentemente, nosso grupo isolou a Pseudozyma brasiliensis GHG001, produtora de xilanase com alto potencial para hidrólise de xilanos e é capaz de crescer em xilose e xilano como única fonte de carbono. Assim, esta levedura é promissora como fonte de genes e vias para a construção de cepas recombinantes de S. cerevisiae. Neste trabalho, serão realizados (i) melhoramento da anotação do genoma de Pseudozyma brasiliensis, (ii) estudos de genômica comparativa de P. brasiliensis e outros membros de Ustilaginaceae, principalmente de famílias de genes envolvidas com a hidrólise da biomassa, catabolismo, oxidorredução e isomerização de pentoses, utilizando espécies já sequenciadas de Ustilaginaceae e os genomas de quatro isolados do gênero Pseudozyma já seqüenciados em nosso laboratório, (iii) a reconstrução de um "draft" das redes metabólicas de P. brasiliensis e (iv) exploração in silico das vias de interesse utilizando análise de balanço de fluxo. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BONIN, GUSTAVO PAGOTTO; CARAZZOLLE, MARCELO FALSARELLA; CORREA DOS SANTOS, RENATO AUGUSTO; RIANO-PACHON, DIEGO MAURICIO; DE CASTRO OLIVEIRA, JULIANA VELASCO. Gene Co-expression Network Reveals Potential New Genes Related to Sugarcane Bagasse Degradation in Trichoderma reesei RUT-30. FRONTIERS IN BIOENGINEERING AND BIOTECHNOLOGY, v. 6, OCT 22 2018. Citações Web of Science: 1.
CORREA DOS SANTOS, RENATO AUGUSTO; GOLDMAN, GUSTAVO HENRIQUE; RIANO-PACHON, DIEGO MAURICIO. ploidyNGS: visually exploring ploidy with Next Generation Sequencing data. Bioinformatics, v. 33, n. 16, p. 2575-2576, AUG 15 2017. Citações Web of Science: 10.
BORIN, GUSTAVO PAGOTTO; SANCHEZ, CAMILA CRISTINA; DE SANTANA, ELIANE SILVA; ZANINI, GUILHERME KEPPE; CORREA DOS SANTOS, RENATO AUGUSTO; PONTES, ANGELICA DE OLIVEIRA; DE SOUZA, ALINE TIEPPO; TAVARES SOARES DAL'MAS, ROBERTA MARIA MENEGALDO; RIANO-PACHON, DIEGO MAURICIO; GOLDMAN, GUSTAVO HENRIQUE; DE CASTRO OLIVEIRA, JULIANA VELASCO. Comparative transcriptome analysis reveals different strategies for degradation of steam-exploded sugarcane bagasse by Aspergillus niger and Trichoderma reesei. BMC Genomics, v. 18, JUN 30 2017. Citações Web of Science: 20.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SANTOS, Renato Augusto Corrêa dos. Análise genômica da levedura xilanolítica Pseudozyma brasiliensis GHG001. 2018. Dissertação de Mestrado.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.