Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização imunohistoquímica de grupamentos neurais da amídala envolvidos na reinstalação da autoadministração de etanol induzida por contexto

Processo: 15/12002-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Fabio Cardoso Cruz
Beneficiário:Letícia Camargo Tavares
Instituição-sede: Instituto de Física de São Carlos (IFSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/24986-2 - Participação de pequenos grupos neurais seletivamente ativados (neuronal ensembles) na reinstalação da autoadministração de etanol induzida pelo ambiente: investigação farmacogenética, optogenética e molecular, AP.JP
Assunto(s):Imuno-histoquímica   Autoadministração   Etanol

Resumo

A dependência ao etanol é um grande problema de saúde pública no Brasil e no mundo. As perdas e os custos sociais e econômicos são altíssimos. Os problemas relacionados a dependência ao etanol não só afetam o dependente mas também toda a comunidade, incluindo familiares e vítimas de violências e acidentes. Entretanto, os tratamentos utilizados não são totalmente eficazes, pois cerca de 80-95% dos pacientes recaem ao uso dessa substância. Assim, a compreensão dos mecanismos moleculares envolvidos na dependência ao etanol pode contribuir de forma crucial para a descoberta de novos alvos terapêuticos e consequentemente para o desenvolvimento de fármacos mais eficazes para o tratamento desse grande problema social. Uma das teorias mais recentes sobre a dependência a substâncias de abuso, propõe que a dependência envolve comportamentos de aprendizado associativo em que com o uso repetido da substância de abuso, o indivíduo associa o efeito da droga com estímulos ou dicas do ambiente onde a substância está sendo consumida e no decorrer do uso, somente a exposição a essas dicas ambientais poderia desencadear a fissura e fazer com que o indivíduo recaísse ao uso das drogas. Estudos recentes demonstram que essas associações são armazenadas por pequenos grupos neurais seletivamente ativados e que estão distribuídos por diferentes regiões encefálicas e conectados entre si através de sinapses fortes. Assim, a formação dessas associações envolveria plasticidades neurais nas sinapses entre esses pequenos grupos neurais seletivamente ativados. Embora muitos trabalhos comprovam o envolvimento desses pequenos grupos de neurônios em comportamentos condicionados relacionados a administração de substâncias de abuso, essa nova abordagem ainda não foi aplicada para a caracterização dos diferentes mecanismos neurais da dependência ao etanol. Assim, o objetivo geral do presente projeto é caracterizar as diferentes populações de neurônios da amídala basolateral e central que estão envolvidas na reinstalação da autoadministração de etanol induzida pelo ambiente. Para esse propósito, utilizaremos técnicas imunohistoquímicas caracterizando e quantificando as populações de neurônios glutamatérgicos, gabaérgicos, opioidérgicos e crférgicos que são especificamente ativados nessa região.