Busca avançada
Ano de início
Entree

Proximidade geográfica temporária e o complexo industrial da saúde: o papel das feiras e congressos médicos em processos de difusão de tecnologia e conhecimento

Processo: 15/18483-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 09 de outubro de 2015
Vigência (Término): 08 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Humana
Pesquisador responsável:Ricardo Mendes Antas Jr
Beneficiário:Flavio de Campos Vendrusculo
Supervisor no Exterior: Harald Bathelt
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Toronto (U of T), Canadá  
Vinculado à bolsa:13/22370-4 - As feiras e congressos médicos como círculos de cooperação no espaço: a integração do complexo industrial da saúde e a inserção da lógica corporativa no hospital, BP.MS
Assunto(s):Geografia urbana

Resumo

Este projeto de pesquisa foi projetado para orientar futuros desenvolvimentos na tentativa de compreender a natureza, extensão e estrutura de interação e aprendizado que ocorre em feiras médicas e congressos médicos. Até agora, a pesquisa foi conduzida para compreender como feiras e congressos médicos são importantes instrumentos de conexão entre uma oferta e demanda geograficamente dispersa, colocando em contato agentes econômicos de diferentes complexos industriais (Gadelha, 2003). No etanto, ao longo do processo de investigação foram descobertas lacunas conceituais e analíticas que apontam para a necessidade de fornecer uma interpretação geográfica sobre como se dá a circulação de conhecimento no complexo industrial da saúde (CIS) através das feiras e congressos médicos. A problemática aqui exposta incidirá sobre o papel que as feiras feiras e congressos possuem como clusters temporários (Bathelt, Malmberg, Maskell, 2004), ao fazer circular o conhecimento entre os agentes geograficamente dispersos de diferentes complexos infustriais da saúde, portanto, tanto num contexto nacional e internacional. Neste sentido, entendendo melhor como o conhecimento é criado e como ele circula nessas situações de contato face-a-face temporário, ajudando empresas e especialistas em medicina para superar os problemas de escassez de informação e incerteza, nos ajudará a ampliar nossa compreensão sobre como a globalização da indústria da saúde depende da criação de círculos de cooperação (Santos, 1988, 1985), em nível nacional e internacional.