Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do destreinamento físico sobre a regulação da atividade termogênica do tecido adiposo peri-epididimal de ratos

Processo: 15/09652-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2015
Vigência (Término): 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Rogério Antônio Laurato Sertié
Beneficiário:André Luiz Vianna
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Tecido adiposo   Exercício físico   Transdiferenciação celular   Obesidade   Metabolismo energético

Resumo

A prática de exercício físico regular confere uma série de benefícios ao organismo, dentre eles a capacidade de aumentar o gasto energético e reduzir o peso corporal. Se por um lado o exercício físico acarreta redução da massa gorda total, sua interrupção parece conduzir o organismo em sentido contrário. Em estudo publicado recentemente por nosso grupo foi demonstrado que o destreinamento físico reverte as adaptações adquiridas com sessões contínuas de treinamento, conduzindo os animais à recuperação total do peso corporal. Foi observado que o destreinamento físico aumenta a taxa de lipogênese em adipócitos isolados da gordura PE, além de aumentar o número total de adipócitos. Sabe-se que o exercício estimula a geração de calor por aumento da atividade mitocondrial, através da liberação de Irisina, favorecendo a conversão de adipócitos brancos em adipócitos do tipo bege, o que reconhecidamente colabora para o processo de redução da massa gorda. Assim, nossa pergunta permeia a hipótese de que o destreinamento físico possa interferir no processo de transdiferenciação celular, reduzindo o tecido adiposo bege, favorecendo a redução do gasto energético e o aumento da massa gorda total. Para isso, ratos Wistar serão submetidos a 8 semanas de treinamento seguidas de 4 semanas de destreinamento. O protocolo de treinamento consistirá de corrida em esteira rolante numa intensidade de 50-60% da capacidade máxima dos animais. Os animais serão divididos em 3 grupos. O primeiro grupo será submetido a um treinamento de 60 min diários, cinco vezes por semana, durante 12 semanas (Grupo T). O segundo grupo será submetido a um treinamento de 60 min diários, cinco vezes por semana, durante 8 semanas (grupo D) , sendo então submetido ao destreinamento físico por 4 semanas. Por fim o terceiro grupo será o grupo controle sedentário (grupo S), que não realizará nenhum tipo de treinamento durante as 12 semanas do protocolo experimental.Serão utilizadas técnicas laboratoriais modernas, como PCR Real Time e Western Blot para a análise de genes e proteínas de interesse tais como UCP-1 e UCP-2, PGC1± e dos receptores adrenérgicos Alfa 2 e Beta 1,2,3 em TAB PE de animais sedentários, treinados e destreinados, cujo objetivo é investigar o processo de transdiferenciação de adipócitos brancos em adipócitos bege. Ainda, será realizada análise da atividade máxima da enzima Citrato Sintase, análise morfométrica de adipócitos isolados e oxidação de glicose nos adipócitos da gordura periepididimal. Desta forma pretendemos investigar a biogênese mitocondrial no tecido adiposo de animais sob treinamento e destreinamento e correlacionar este fenômeno com o ganho ou a perda de massa gorda.Finalizando, tendo em vista o pressuposto básico da Iniciação Científica, que é inserir o aluno de graduação nas atividades acadêmicas e de pesquisa, as atividades que deverão ser cumpridas pelo estagiário contemplarão, ainda, leituras sobre atuais normas de biosegurança.(NR 32), realização dos cursos "Uso de animais para experimentação" e "Radioproteção" do Instituto de Ciências Biomédicas.