Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização Geofísica da anomalia magnética de Jauru

Processo: 15/17016-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2015
Vigência (Término): 30 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geofísica
Pesquisador responsável:Marta Silvia Maria Mantovani
Beneficiário:Vinícius Knorre Ferreira Machado
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anomalia Magnética do Atlântico Sul   Caracterização   Gravimetria   Métodos potenciais

Resumo

A partir de dados de levantamento aerogeofísico "Projeto 1080 - Área 2 Mato Grosso", realizado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM, antiga Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais), nota-se uma clara anomalia magnética cujo centro se localiza entre nas coordenadas (311200 E, 8316300 N), próximo à cidade de Jauru - MT. Esta tem como fonte uma estrutura em subsuperfície, aqui chamada Jauru. A anomalia de Jauru encontra-se em região da Suíte Intrusiva Figueira Branca, área cuja descrição geológica se centra em gabros, anfibolitos e serpentinitos intrusivos nos gnaisses do embasamento, sendo estas rochas metavulcanos sedimentares do Grupo Alto Jauru. Ocorre predominância de gabros e noritos, com depósitos de minerais máficos-ultramáficos. Segundo a CPRM, o Estado de Mato Grosso ocupa uma posição de destaque na produção mineral brasileira. A Área 2 localiza-se inteiramente na região centro-oeste deste estado e apresenta diversas ocorrências auríferas, de cobre e kimberlitos associados à produção diamantífera. Para o estudo dessa anomalia, serão usados dados de magnetometria, fornecidos pela CPRM e dados gravimétricos coletados pelo laboratório de Geofísica da Litosfera do IAG-USP. Com o tratamento e a interpretação desses dados, pretende-se caracterizar o corpo causador da anomalia em questão.