Busca avançada
Ano de início
Entree

Integridade estrutural das células epiteliais epididimárias e processo de ubiquitinação em epidídimos de ratos tratados com antagonista de receptor H2 para histamina

Processo: 15/12501-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2015
Vigência (Término): 14 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Histologia
Pesquisador responsável:Estela Sasso Cerri
Beneficiário:Isadora Dantas Lunardi
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Imunofluorescência   Ubiquitinas   Reprodução   Morfometria   Epididimo

Resumo

A cimetidina é um antagonista de receptores H2 que inibe a ação do ácido clorídrico e vem sendo utilizada para o tratamento de úlceras doudenais e gástricas. Em pacientes, o tratamento com cimetidina tem causado alguns efeitos adversos como: impotência, redução da contagem de espermatozoides, diminuição da libido e desenvolvimento de ginecomastia. Estudos realizados em roedores têm demonstrado que este fármaco causa alterações nos testículos, próstata, vesículas seminais e ducto deferente. Algumas destas alterações têm sido relacionadas com uma possível ação antiandrogênica da cimetidina. Sabe-se que a maturação dos espermatozóides no epidídimo depende da integridade estrutural e funcional das células epiteliais epididimárias. Entre várias funções do epidídimo, destaca-se a eliminação dos espermatozoides defeituosos pela via ubiquitina-proteossoma, sendo, portanto, uma via essencial para a manutenção da qualidade espermática. Neste estudo, será proposto avaliar o efeito da cimetidina na integridade estrutural das células do epitélio epididimário e no processo de ubiquitinação em epidídimos de ratos adultos. Serão utilizados 10 ratos machos, que serão divididos em dois grupos: grupo controle (GC; n=5) e grupo tratado com cimetidina (GCMT; n=5). Os animais serão tratados por 50 dias consecutivos, sendo que os do GCMT receberão injeções intraperitoneais de cimetidina (100mg/kg) e os animais do GC receberão solução fisiológica. As caudas epididimárias serão fixadas e processadas para inclusão em historesina e parafina. Alguns fragmentos serão processados para inclusão em Araldite para análise em microscópio eletrônico de transmissão (MET). Os cortes serão corados pelo método da Hematoxilina e Eosina (H.E.) para análise morfológica e morfométrica. Os cortes de parafina serão submetidos à reação de imunofluorescência para detecção de ubiquitina PGP 9.5 e citoqueratina 14 (marcador de célula basal). Serão realizadas análises morfométricas para obtenção da altura do epitélio do epidídimo e os resultados serão submetidos à análise estatística. As análises ultraestruturais (MET) serão realizadas com ênfase nas células principais e células claras, a fim de verificar possíveis alterações causadas pelo tratamento nestas células.