Busca avançada
Ano de início
Entree

Construção de um mutante de perda de função e caracterização parcial do fator de transcrição HsfA no fungo patogênico Aspergillus fumigatus

Processo: 15/18137-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2015
Vigência (Término): 30 de setembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Iran Malavazi
Beneficiário:João Henrique Tadini Marilhano Fabri
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Aspergillus fumigatus

Resumo

Aspergillus fumigatus é um fungo filamentoso patogênico oportunista responsável por diversas doenças respiratórias humanas, incluindo a aspergilose invasiva pulmonar, que é a forma mais grave e com maior risco à vida. A termotolerância está entre os principais determinantes de virulência do fungo e é importante para o estabelecimento da infecção e a manutenção do patógeno no organismo hospedeiro. A termotolerância confere a capacidade de multiplicação do fungo em temperaturas elevadas (37ºC, no caso do hospedeiro mamífero), causando assim micoses profundas. Em Saccharomyces cerevisiae, o fator de transcrição Hsf1 é responsável pela síntese de "heat shock proteins", como as chaperonas Hsp90, Hsp70, Hsp60 e Hsp40, que ajudam a célula a sobreviver a temperaturas elevadas. Hsf1 de levedura também propicia a ativação de genes que codificam enzimas envolvidas na resposta ao estresse oxidativo, transdução de sinal, metabolismo de carboidratos, entre outros. Além disso, existe também uma relação bem descrita do papel de genes de choque térmico e a manutenção da integridade da parede celular em fungos, como por exemplo em S. cerevisiae e C. albicans. No entanto, a função do ortólogo putativo do gene hsf1 em A. fumigatus (aqui chamado de hsfA) e sua relação com a termotolerância e com a manutenção da integridade da parede celular nesse organismo é ainda desconhecida. Por esta razão, este trabalho pretende ampliar o estudo da resposta ao choque térmico em A. fumigatus através da caracterização funcional do fator de transcrição HsfA. Serão construídos mutantes de perda de função para o gene hsfA (isto é, mutante nulo e/ou mutantes condicionais) e também um mutante onde hsfA estará fusionado à proteína GFP. Esses mutantes serão utilizados em testes fenotípicos. A expressão de hsfA será também verificada em diferentes condições de estresse de temperatura e de parede celular através de RT-PCR em tempo real e western blot. Os resultados obtidos deverão contribuir para a expansão do conhecimento acerca dos mecanismos que regulam a termotolerância de A. fumigatus.