Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do efeito da ativação celular por padrões moleculares associados a patógenos ou a perigo na viabilidade e diferenciação de células de papila apical in vitro

Processo: 15/12218-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2015
Vigência (Término): 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Endodontia
Pesquisador responsável:Carla Renata Sipert
Beneficiário:Pamela Rocha Lopes de Almeida
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Diferenciação celular   Imunidade inata   Biologia celular

Resumo

O desenvolvimento dentário é rotineiramente interrompido por processos inflamatórios resultantes de trauma dental ou infecção do canal radicular. O papel da papila apical no desenvolvimento radicular tem sido demonstrado pela literatura; entretanto, os mecanismos envolvidos na modulação deste tecido por subprodutos bacterianos ou células necróticas resultantes de cárie ou trauma são ainda desconhecidos. Sendo assim, o objetivo deste projeto é investigar a citotoxicidade e diferenciação odontogênica de células de papila apical humana sob desafio com subprodutos bacterianos como lipopolissacarídeo (LPS) e/ou ácido lipoteicóico (LTA) ou sobrenadante de células necróticas (SN) isolamente ou combinados. Culturas primárias de células de papila apical (n = 3) serão estabelecidas por meio de uma técnica de explante. Células serão plaqueadas para a avalição da citotoxicidade de concentrações crescentes de LPS, LTA, SN, LPS + LTA, LPS + LTA + SN por 1, 3 e 5 dias. Meio somente será empregado como controle. A expressão constitutiva e a modulação de receptores de reconhecimento de PAMPs e DAMPs serão investigados por meio de RT-qPCR. As maiores concentrações incapazes de comprometer a viabilidade celular serão usadas para ativar as células previamente ao ensaio de diferenciação. Células serão mantidas em contato com os estímulos ou com meio somente por 5 dias e serão submetidas à diferenciação odontogênica por 14 e 28 dias. Como controle negativo, células naïve serão mantidas em meio de proliferação convencional. A diferenciação celular será analisada por meio de deposição de cálcio empregando-se coloração por vermelho de alizarina S. Os dados serão analisados por meio de análise de variância a um critério ajustando-se p < 0,05.