Busca avançada
Ano de início
Entree

Origens da colonialidade: mecanismos de desenvolvimento e direcionalidade da coalescência colonial em ascídias

Processo: 15/14052-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2015
Vigência (Término): 30 de novembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Federico David Brown Almeida
Beneficiário:Laurel Sky Hiebert
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/05923-3 - Células e tecidos de dormência em ascídias: mecanismos de desenvolvimento e origens evolutivas, BE.EP.PD
Assunto(s):Urocordados

Resumo

A colonialidade evoluiu numerosas vezes dentro dos metazoários, produzindo diversas convergências ecológicas e de desenvolvimento, que diferem daquelas associadas a um hábito de vida solitário. Animais coloniais - aqueles com a capacidade de se reproduzirem assexuadamente, permanecendo interconectados - não apenas crescem e ocupam o espaço diferentemente de seus parentes solitários, mas também demonstram ampla capacidade regenerativa, possuem sistemas de alorreconhecimento únicos e apresentam senescência sistematizada. Muitos desses aspectos estão ligados ao fato de que espécies coloniais possuem outros tecidos além da linhagem germinativa que permanecem pluripotentes. A fim de determinar as origens da colonialidade, e as características associadas ao hábito de vida colonial, pretendemos examinar as origens evolutivas e as funções dessas células pluripotentes. Juntamente com colaboradores, examinaremos células tronco no sistema vascular de ascídias (do Subfilo Tunicata), que são necessárias para sua reprodução assexuada por brotamento e para a regeneração nas espécies coloniais. Nosso foco será a família Styelidae, já que diferentes espécies desta família apresentam ampla variação no grau de "coalescência", i.e., algumas são solitárias, em outras, os indivíduos clonam-se, permanecendo frouxamente conectados, e em outras ainda, eles se mostram altamente integrados, compartilhando uma mesma túnica e uma vasculatura comum. Contrastaremos populações de células tronco em estielídeos a fim de testar a hipótese de que espécies mais altamente coalescidas possuem tipos de células tronco mais abundantes e mais diversos. Reconstruiremos as origens filogenéticas desses tipos celulares e o grau de coalescência dentro de Styelidae, a partir de reconstruções filogenéticas baseadas em transcriptomas. Pretendo determinar se a abundância de alguns tipos particulares de células tronco está correlacionada com as diferentes fases (i.e., de reprodução sexuada vs. assexuada) de sua história de vida. Esses resultados serão essenciais para a nossa compreensão do funcionamento de células tronco sanguíneas e de como elas se originaram e se diversificaram. Eles devem nos revelar mecanismos-chave da coalescência colonial e contribuir para reconstruir a evolução da colonialidade nas ascídias.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ALIE, ALEXANDRE; HIEBERT, LAUREL SKY; SIMION, PAUL; SCELZO, MARTA; PRUNSTER, MARIA MANDELA; LOTITO, SONIA; DELSUC, FREDERIC; DOUZERY, EMMANUEL J. P.; DANTEC, CHRISTELLE; LEMAIRE, PATRICK; et al. Convergent Acquisition of Nonembryonic Development in Styelid Ascidians. Molecular Biology and Evolution, v. 35, n. 7, p. 1728-1743, . (15/50164-5, 15/14052-8)
HIEBERT, LAUREL S.; VIEIRA, LEANDRO M.; TIOZZO, STEFANO; SIMPSON, CARL; GROSBERG, RICHARD K.; MIGOTTO, ALVARO E.; MORANDINI, ANDRE C.; BROWN, FEDERICO D.. From the individual to the colony: Marine invertebrates as models to understand levels of biological organization. JOURNAL OF EXPERIMENTAL ZOOLOGY PART B-MOLECULAR AND DEVELOPMENTAL EVOLUTION, v. 336, n. 3, . (18/05923-3, 15/50164-5, 19/06927-5, 18/50017-0, 15/14052-8)
HIEBERT, LAUREL S.; SIMPSON, CARL; TIOZZO, STEFANO. Coloniality, clonality, and modularity in animals: The elephant in the room. JOURNAL OF EXPERIMENTAL ZOOLOGY PART B-MOLECULAR AND DEVELOPMENTAL EVOLUTION, v. 336, n. 3, p. 198-211, . (15/14052-8, 18/05923-3)
HIEBERT, LAUREL SKY; VIEIRA, EDSON A.; DIAS, GUSTAVO M.; TIOZZO, STEFANO; BROWN, FEDERICO D.. Colonial ascidians strongly preyed upon, yet dominate the substrate in a subtropical fouling community. PROCEEDINGS OF THE ROYAL SOCIETY B-BIOLOGICAL SCIENCES, v. 286, n. 1899, . (15/50164-5, 15/14052-8, 16/17647-5)
JIMENEZ-MERINO, JUAN; DE ABREU, ISADORA SANTOS; HIEBERT, LAUREL S.; ALLODI, SILVANA; TIOZZO, STEFANO; DE BARROS, CINTIA M.; BROWN, FEDERICO D.. Putative stem cells in the hemolymph and in the intestinal submucosa of the solitary ascidian Styela plicata. EVODEVO, v. 10, n. 1, . (19/06927-5, 16/07607-6, 15/50164-5, 15/14052-8, 18/05923-3)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.