Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da via autofágica no músculo distrófico

Processo: 15/18130-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2015
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Mariz Vainzof
Beneficiário:Stephanie de Alcântara Fernandes
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08028-1 - CEGH-CEL - Centro de Estudos do Genoma Humano e de Células-Tronco, AP.CEPID
Assunto(s):Distrofias musculares   Modelos animais   Autofagia

Resumo

O tecido muscular é caracterizado pela capacidade de regeneração quando afetado por condições adversas, tais como ocorre nas distrofias musculares. As distrofias musculares são doenças genéticas progressivas que afetam o músculo, e podem decorrer de defeitos em proteínas como a distrofina, large e disferlina, que são proteínas localizadas ou associadas à membrana do músculo. Adicionalmente, outras doenças que acometem esse tecido podem ser relacionadas a defeitos em outros compartimentos ou vias celulares, como, por exemplo, alterações na autofagia.A autofagia é um processo natural da célula que é responsável pela degradação de proteínas e organelas danificadas para reposição de nutrientes quando ocorre a sua necessidade. Esse processo encontra-se desregulado em um grande número de doenças, tanto como defeito primário nesta via, como secundário, consequente a outras alterações no tecido. Trabalhos recentes têm mostrado que em doenças envolvendo o músculo este processo está afetado e que sua modulação pode ter efeitos terapêuticos.O objetivo desse projeto consiste em analisar como a autofagia está regulada em modelos animais para distrofias musculares com defeitos moleculares distintos, e comparar com os achados observados em músculo normal, submetido à degeneração e regeneração induzida por eletroporação. Além disso, a autofagia será avaliada em um paciente com defeito primário em um gene envolvido na via autofágica, para sugerir possíveis alvos terapêuticos.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.