Busca avançada
Ano de início
Entree

É possível reverter a degradação do solo provocada pela mineração de bauxita por meio da restauração ecológica?

Processo: 14/21135-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 23 de março de 2016
Vigência (Término): 27 de abril de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Silvicultura
Pesquisador responsável:Pedro Henrique Santin Brancalion
Beneficiário:Denise Teresinha Gonçalves Bizuti
Supervisor no Exterior: Francisco José Martin Peinado
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidad de Granada (UGR), Espanha  
Vinculado à bolsa:12/05767-5 - É possível reverter a degradação do solo provocada pela mineração de bauxita por meio da restauração ecológica?, BP.DR
Assunto(s):Restauração florestal   Solos   Restauração ecológica

Resumo

A mineração é uma das atividades antrópicas mais impactantes aos recursos naturais, e que pode afetar profundamente a resiliência dos ecossistemas em função do nível de degradação do solo. Diante disso, muitas áreas mineradas não são efetivamente recuperadas a ponto de restabelecer parte relevante da biodiversidade e dos serviços ambientais, restringindo-se a reabilitação. Se os atributos físicos, químicos e microbiológicos do solo não forem considerados na restauração florestal, a resiliência não será viabilizada, e consequentemente, o ecossistema não restabelecerá suas funções ecológicas. Em especial, os atributos físicos e químicos são os primeiros a serem recuperados para estabelecer a vegetação, viabilizando a sucessão ecológica. A recuperação dos atributos químicos denota atenção, visto que solos de ecossistemas tropicais geralmente são pobres em nutrientes. A composição mineralógica do solo está intrinsecamente associada a esse contexto por condicionar os atributos físicos e químicos do solo, fisicamente em específico a sua estrutura, podendo a mineralogia variar significativamente entre os tipos de solos, de modo que diferentes manejos desse compartimento são necessários e quimicamente em termos de fertilidade, funcionando o solo como reservatório ou dreno de nutrientes. O objetivo desse estudo é determinar a mineralogia total e da fração argila em solos recém minerados, florestas em processo de restauração e reabilitação florestal e florestas nativas. As áreas de estudo estão localizadas no município de Poços de Caldas/MG e pertencem à ALCOA Alumínio. Em cada área de estudo, ou seja, cada unidade amostral corresponderá a um ponto de coleta, sendo esse composto por 15 sub-amostras, nas profundidades de 0-5, 5-10, 10-20, 20-40, 40-60 cm. A mineralogia do solo será determinada por difração de Raios X (DRX). (AU)