Busca avançada
Ano de início
Entree

A expansão do agrohidronegócio canavieiro no Pontal do Paranapanema (SP) e os desdobramentos para a agroecologia: estratégias de reprodução dos camponeses

Processo: 15/02962-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2015
Vigência (Término): 01 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Humana
Pesquisador responsável:Antonio Thomaz Júnior
Beneficiário:Diógenes Rabello
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/23959-9 - Mapeamento e análise do território do agrohidronegócio canavieiro no Pontal do Paranapanema - São Paulo - Brasil: relações de trabalho, conflitos e formas de uso da terra e da água, e a saúde ambiental, AP.BIOEN.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):16/20075-3 - Experiência camponesa no México: práticas agroecológicas e resistência na terra nos estados de Puebla, Oaxaca e Chiapas, BE.EP.MS
Assunto(s):Geografia agrária   Agricultura sustentável   Pontal do Paranapanema (SP)   Campesinato   Agrohidronegócio

Resumo

A agroecologia enquanto ciência ganha cada vez mais espaço na academia. Resultado disso são os Grupos de Pesquisa, os diversos pontos de vista, as propostas e as perspectivas do que é a agroecologia ou como se tem entendido e praticado conhecimentos agroecológicos enquanto modelo alternativo para a agricultura camponesa. As abordagens teóricas permitem delinear a agroecologia sob diversos aspectos, levando-nos a entender que esse modelo representa uma ruptura de referenciais, tendo como preocupação a dimensão ambiental, por meio da qual se busca erradicar o uso de insumos químicos, para assim frear a degradação ambiental, bem como a busca por técnicas de cultivo que considerem a própria dinâmica da natureza para beneficiar os processos de trabalho. Do mesmo modo, a dimensão social, com a produção de alimentos saudáveis, em diversidade e quantidade, privilegiando o trabalho de base familiar, e na base de todo o processo, a dimensão cultural, resgatando, recuperando e readaptando técnicas tradicionais de trabalho, permitindo a manutenção da identidade do sujeito do campo envolvido na produção agroecológica. Por meio desse projeto de pesquisa nos propomos a entender os desafios que os camponeses, assentados oriundos da luta pela terra, no Pontal do Paranapanema, em São Paulo, vêm enfrentando para reproduzir as condições de vida e de trabalho diante do avanço do agrohidronegócio canavieiro e a impossível convivência no mesmo território, ou seja, as adversidades entre as práticas agroecológicas e as atividades protagonizadas pelo capital agroindustrial canavieiro fundamentadas na degradação da saúde do ser humano em geral, dos trabalhadores, dos animais, da terra e da água.