Busca avançada
Ano de início
Entree

O grafite, suas origens e a territorialidade urbana nas metrópoles - um diálogo entre o grafite e a educação

Processo: 15/23423-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2015
Vigência (Término): 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Antropologia das Populações Afro-brasileiras
Pesquisador responsável:Monica Guimaraes Teixeira do Amaral
Beneficiário:Valdemir Pereira Cardoso
Instituição-sede: Faculdade de Educação (FE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/50120-8 - O ancestral e o contemporâneo nas escolas: reconhecimento e afirmação de histórias e culturas afro-brasileiras, AP.PP
Assunto(s):Graffiti

Resumo

A pesquisa objetiva a compreensão da Cultura Hip Hop em seu viés histórico-cultural e estético-social, com atenção especial a um de seus elementos - o Graffiti. Serão realizadas docências compartilhadas abordando desde seu surgimento no Bronx, em que os jovens negros norte-americanos expuseram sua arte nos trens que percorreram toda a cidade de Nova Iorque até sua expansão pelas metrópoles do mundo inteiro, como estratégia de ruptura da segregação social a que estão sujeitas a juventude pobre e negra em diversas partes do globo. A partir de sua experiência local na região de São Mateus com graffiti de cunho étnico-social e de luta pela valorização da favela, pretende realizar junto com a professora de História uma reflexão sobre a construção da identidade étnica e territorial da juventude da região, correlacionando-a com a construção indentitária das juventudes de outras regiões do mundo. Esse projeto pretende, ainda, propiciar junto aos professores uma reflexão sobre as bases de formação da Cultura Hip Hop, apresentando-a aos alunos, tanto do ponto de vista teórico, quanto do ponto de vista da prática estética e, com isso, contribuir para a ressignificação da Cultura Hip Hop praticada pelas comunidades juvenis com base nas experiências passadas das gerações que fundaram o movimento nos anos oitenta nas ruas de São Paulo, do mesmo modo como ocorreu em grandes cidades norte-americanas na década de 1970. Este projeto tem como objetivo a formação de jovens pobres e negros da periferia da zona leste de São Paulo por meio da estética plástica do graffiti.