Busca avançada
Ano de início
Entree

A arquitetura genética e fenotípica da especiação e da diversificação

Processo: 15/26619-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 30 de abril de 2016
Vigência (Término): 29 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física
Pesquisador responsável:Marcus Aloizio Martinez de Aguiar
Beneficiário:Ayana de Brito Martins
Supervisor no Exterior: Carlos Javier Melian Peñate
Instituição-sede: Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Local de pesquisa : Swiss Federal Institute for Aquatic Science and Technology, Suíça  
Vinculado à bolsa:14/10470-7 - Efeito da arquitetura genética do isolamento reprodutivo sobre a especiação, BP.PD
Assunto(s):Isolamento reprodutivo   Especiação

Resumo

A origem de novas espécies é uma questão central em biologia evolutiva. Recentemente, devido a avanços técnicos, a base genética de caracteres que afetam a especiação está sendo descrita e, com isso, a pesquisa neste tema entrou em uma nova era. Este avanço abre espaço para novos modelos que incorporem explicitamente a relação entre fenótipos relevantes para a especiação e seus genótipos. Neste projeto propomos uma generalização do modelo sendo desenvolvido no projeto de pós-doutorado da candidata. Pretendemos usar este modelo para estudar questões ligadas a um projeto empírico que vem sendo desenvolvido no centro de pesquisa no qual este estágio ocorrerá caso a bolsa seja concedida. Em particular, investigaremos como a especiação é afetada pela arquitetura genética de caracteres usados na escolha de parceiros reprodutivos. Iremos explorar tanto padrões de associação genótipo-fenótipo encontrados na natureza quanto padrões tipicamente presentes em modelos evolutivos bem conhecidos. Consequentemente, a proposta aqui apresentada permitirá: 1) sintetizar diferentes modelos da literatura em uma teoria mais geral e testável, 2) analisar o modelo proposto com base em novos dados empíricos, e 3) inferir a partir deste modelo que mecanismos melhor descrevem os padrões observados nos dados.