Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização da via do TGF-b na doença crônica do enxerto contra o hospedeiro após o transplante alogênico de medula óssea

Processo: 15/16758-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Pesquisador responsável:Patricia Maria Bergamo Favaro
Beneficiário:Beatriz Corey Morini
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Hematologia

Resumo

Transplante alogênico de células hematopoiéticas representa hoje a chance de cura para muitos pacientes portadores de doenças hematológicas benignas e malignas. Muitas complicações podem ocorrer pós-transplante, a doença do enxerto contra o hospedeiro crônica (DECHc) é uma das mais importantes devido à mortalidade e ao impacto na qualidade de vida. Aproximadamente 50% dos pacientes apresentam alguma manifestação da doença crônica, embora a fisiopatologia da DECHc ainda não seja totalmente compreendida. Existem evidências de que a tolerância imune aos próprios antígenos seria quebrada na DECHc, dando origem às manifestações autoimunes. Nesse contexto, as células T regulatórias (Tregs) merecem destaque, já que a supressão das células T alorreativas efetoras pelas células Tregs é um importante mecanismo envolvido no balanço entre rejeição do enxerto versus tolerância ao enxerto. Há indícios de que a supressão ativa exercida pelas Tregs seja mediada por citocinas, como o TGF-b, que pode agir no controle da proliferação e diferenciação das células T e induzir a expansão de células Tregs. Portanto, é possível que a via do TGF-b tenha um papel na DECHc. Tanto o microRNA (miRNA)-155 como o miRNA146a já foram relacionados com a via do TGF-b. Assim, é objetivo deste projeto, a caracterização da expressão de elementos importantes da via do TGF-b, bem como a expressão dos miR-155 e miR-146a em células mononucleares de sangue periférico de pacientes com DECHc.