Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto das atividades de controle na ocorrência da leishmaniose visceral nos municípios de Araçatuba e Birigui - SP

Processo: 15/18763-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2015
Vigência (Término): 30 de novembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Pesquisador responsável:Francisco Chiaravalloti Neto
Beneficiário:Patricia Marques Moralejo Bermudi
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Leishmaniose visceral   Incidência   Análise espacial   Controle de doenças   Modelo aditivo generalizado   Araçatuba (SP)   Birigui (SP)

Resumo

Introdução: A leishmaniose visceral (LV), considerada atualmente uma entre as seis endemias prioritárias no mundo, tem como estratégia de controle: o diagnóstico e tratamento adequado dos casos humanos registrados, a eliminação do vetor através da aplicação de inseticidas de ação residual e a identificação e eliminação dos reservatórios, especialmente o canino. No Brasil, há dúvidas se essas estratégias têm ou não efetividade suficiente para que a incidência da doença seja reduzida. Araçatuba e Birigui, dois municípios do estado de São Paulo e vizinhos, caracterizam esta situação, uma vez que no primeiro verificou-se, a partir de 2009, queda nas taxas de incidência da doença, enquanto que no segundo as taxas aumentaram. Objetivos: Descrever as atividades de controle da LV nos municípios Araçatuba e Birigui, no período de 2006 a 2014; Avaliar o impacto da cobertura das atividades de controle na ocorrência da doença, entre 2007 e 2015, nos dois municípios e comparar os resultados encontrados entre os dois municípios. Métodos: O estudo ocorrerá nas áreas urbanas dos municípios de Araçatuba e Birigui. As informações sobre as atividades de controle de LV (inquérito canino e controle químico) serão agrupadas segundo os setores de trabalho (definidos pelo Programa de Controle da LV), com o cálculo de coberturas, no período de 2006 a 2014. Os casos autóctones de LV em humanos (LVH), ocorridos entre 2007 e 2015, serão geocodificados pelo endereço de residência e agrupados segundo as áreas de atuação, com o cálculo de taxas de incidência. Serão produzidos mapas temáticos das coberturas das atividades e controle da LV e das taxas de incidência, o que permitirá a comparação visual entre as estas variáveis. Para avaliar o grau de associação entre a ocorrência da LV e a cobertura das atividades de controle será utilizado um delineamento de caso-controle espacial em um modelo aditivo generalizado, permitindo tanto avaliar o risco espacial da ocorrência da LV, verificar o grau de influência das medidas de controle na ocorrência da doença e comparar os resultados encontrados entre os dois municípios.