Busca avançada
Ano de início
Entree

Cartografias urbanas e políticas de uma ocupação no centro de São Paulo

Processo: 15/15573-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2016
Vigência (Término): 30 de junho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Sociologia Urbana
Pesquisador responsável:Vera da Silva Telles
Beneficiário:Renato Abramowicz Santos
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/26116-5 - A gestão do conflito na produção da cidade contemporânea: a experiência paulista, AP.TEM
Assunto(s):Ocupações   Produção do espaço urbano

Resumo

Este projeto busca analisar o fenômeno das ocupações de prédios no centro de São Paulo, processo que se constitui mais fortemente a partir da segunda metade da década de 1990, tomando como campo empírico para investigação a Ocupação Mauá, na região da Luz. Trata-se de compreender as ocupações a partir de dimensões urbanas e políticas nelas envolvidas. As ocupações no centro de São Paulo se inscrevem em uma história de longa duração ligada à questão da moradia popular na cidade, que passa pelos cortiços no começo do século XX, pelos loteamentos nas periferias, pela multiplicação das favelas já no quarto final do século. Elas situam-se nessa longa linhagem, porém há novas formas e dinâmicas de produção do espaço urbano, próprias das primeiras décadas do século XXI, que será preciso compreender. De um lado, importa tomar a cidade como plano de referência, de modo a apreendê-las como parte integrante de um tecido urbano mais amplo, em conexão com outros eventos, movimentos e atores, que disputam outros modos de apropriação e gestão da cidade, entendida aqui como um campo de conflito. Por outro lado, entender o estatuto do conflito na produção dos espaços urbanos é a outra questão que se pretende trabalhar neste projeto. As relações tensas e conflitivas com o Estado e seus operadores locais marca o cotidiano de uma ocupação, suas interações e agenciamentos locais. Mas também constrói um campo de gravitação de movimentos, coletivos de ativistas de escopo variado, além de operadores de direito (e o ativismo jurídico), arquitetos e urbanistas (e seus grupos de assessoria popular), etc. As ocupações se transformam assim em espaços de experimentação e criação, mas também de disputa pela produção do espaço. Centro e conector de diferentes sujeitos, movimentos e experiências, uma ocupação é atravessada por esses percursos e linhas conectando-os, transversalmente, em sua territorialidade. Esses fragmentos e pistas serão recompostos a partir de pesquisa etnográfica e da reconstituição das trajetórias dos ocupantes que nos ajudarão a desvendar essa emaranhada trama.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SANTOS, Renato Abramowicz. Cartografias políticas de uma ocupação - cotidiano, território e conflito. 2018. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.