Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação microtomográfica e histomorfométrica da eficácia do xenoenxerto bovino (In700) e o aloplástico beta-tricálcio fosfato (B-TCP) em comparação ao Bio-Oss® no levantamento de seio maxilar de coelhos

Processo: 15/24898-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Histologia
Pesquisador responsável:Rumio Taga
Beneficiário:Ana Carolina Cestari Bighetti
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Levantamento do assoalho do seio maxilar   Microtomografia por raio X   Biomateriais   Morfometria   Porcelana dentária   Xenoenxertos   Bio-Oss   Coelhos

Resumo

A cirurgia de aumento do assoalho do seio maxilar na região posterior de maxila atrófica é um procedimento comum na odontologia para ganho de volume ósseo, a fim de, permitir a colocação adequada de implantes metálicos na região. No entanto, o sucesso na sua utilização tem sido observado apenas com o uso de alguns biomateriais substitutos ao enxerto autógeno. Esses biomateriais com eficácia comprovada na literatura são importados e de alto custo, dificultando o seu acesso à população. Deste modo, o objetivo da atual pesquisa foi comparar a formação óssea, grau de reabsorção, osteocondutividade e a mudança tridimensional do volume do seio enxertado com a utilização de dois materiais em desenvolvimento no país, o xenoenxerto bovino desproteinizado (In700) e o aloplástico beta-tricalcio fosfato (B-TCP) versus o consagrado xenoenxerto Bio-Oss®. Em 27 coelhos (total de 54 seios maxilares) serão realizados levantamento bilateral dos seios que receberão 0,2ml do biomaterial homogeinizado com sangue conforme o grupo tratamento Bio-Oss, In700 e B-TCP. Sobre cada janela óssea de acesso será colocada uma membrana de osso cortical bovino reabsorvível (Gen-Derm®). Os animais de cada grupo serão eutanasiados após 15, 30 e 60 dias (n=6/período) e as peças com os seios serão coletadas e fixadas em formol a 10% em tampão fosfato por uma semana. As peças serão submetidas à análise microtomográfica (Micro-CT) para determinação do volume total do levantamento, do biomaterial e do osso neoformado. A seguir, os seios maxilares de cada período/grupo serão desmineralizados e submetidos ao processamento histológico. Os eventos celulares e teciduais desencadeado por cada material durante o processo de reparo ósseo serão avaliados histomorfometricamente em cortes histológicos alternados de 5 mm de espessura corada pela hematoxilina-eosina. Além disso, realizaremos a caracterização microestrutural dos materiais pela microscopia eletrônica de varredura (MEV) e espectroscopia de energia dispersiva (EDS) em 5 amostras de cada. Os resultados desses experimentos permitirão relacionar as características microestruturais dos biomateriais como presença, tamanho e interconectividade dos poros e dos elementos químicos presentes na superfície dos biomateriais com o padrão de formação óssea no levantamento de seio maxilar. Os resultados obtidos poderão favorecer ou não a indicação para a aplicação clínica futura desses biomateriais nacionais nos procedimentos de levantamento de seio maxilar. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CESTARI BIGHETTI, ANA CAROLINA; CESTARI, TANIA MARY; SANTOS, PAULA SANCHES; NUNES ARANTES, RICARDO VINICIUS; PAINI, SUELEN; ASSIS, GERSON FRANCISCO; COSTA, BRUNA CAROLINA; DE OLIVEIRA, FLAVIA AMADEU; TOKUHARA, CINTIA KAZUKO; DE OLIVEIRA, RODRIGO CARDOSO; TAGA, RUMIO. In vitro and in vivo assessment of CaP materials for bone regenerative therapy. The role of multinucleated giant cells/osteoclasts in bone regeneration. JOURNAL OF BIOMEDICAL MATERIALS RESEARCH PART B-APPLIED BIOMATERIALS, v. 108, n. 1, p. 282-297, JAN 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.