Busca avançada
Ano de início
Entree

Crescimento, produtividade e cozimento da mandioca em resposta a calagem e a adubação fosfatada

Processo: 15/20211-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Adalton Mazetti Fernandes
Beneficiário:Ben-Hur e Souza Rosa
Instituição-sede: Centro de Raízes e Amidos Tropicais (CERAT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Manejo e tratos culturais   Nutrição mineral de plantas   Manihot esculenta

Resumo

O grande desafio na produção de mandioca de mesa é conseguir obter raízes tuberosas longas, uniformes, grossas e de cozimento fácil. Diversos fatores de produção podem interferir nesse processo, inclusive a nutrição da planta. Os nutrientes fósforo (P) e o cálcio (Ca) apesar de terem um efeito positivo sobre o crescimento radicular das culturas, parecem que também interferem no cozimento das raízes de mandioca. Dessa forma, esta pesquisa está sendo conduzida com o objetivo de avaliar o efeito da calagem e da adubação fosfatada, no crescimento da planta, produtividade e cozimento das raízes tuberosas da mandioca de mesa. O experimento está sendo conduzido em campo, no delineamento experimental de blocos ao acaso, no esquema de parcela subdividida, com quatro repetições. As parcelas são representadas por quatro doses de calcário, 0, 1,5, 3,1 e 4,8 t ha-1, nas quais se buscou atingir os níveis de saturação por bases (V%) de 12, 30, 50 e 70%, respectivamente. As subparcelas são constituídas pelos níveis baixo, médio e alto de P, que correspondem ao fornecimento de 0, 80 e 160 kg ha-1 de P2O5, respectivamente. Cada parcela tem a dimensão de 7 m de largura e 12 m de comprimento. Cada subparcela é composta por 5 linhas de mandioca de 4 m de comprimento, espaçadas de 1,0 m entre si (5 m de largura). Serão avaliadas as seguintes variáveis: a) teores de Ca, P e V% do solo antes do plantio; b) diagnose foliar da mandioca; c) número e diâmetro das hastes, número de folhas por planta e altura da planta; d) população final de plantas; e) acúmulo de matéria seca (MS) na parte aérea, cepa e nas raízes tuberosas; f) produtividade de raízes tuberosas; g) firmeza da polpa das raízes tuberosas; h) teor de umidade das raízes tuberosas; i) teor de Ca, P e relação P/Ca nas raízes tuberosas; j) tempo de cozimento das raízes tuberosas. Os dados obtidos serão submetidos à análise de variância. As médias dos níveis de P serão comparadas pelo teste t (DMS) (pd0,05). Os efeitos das doses de calcário serão avaliados por análise de regressão (pd0,05).