Busca avançada
Ano de início
Entree

Biomassa fúngica residual de bioprocesso como nutriente para cultivo de microrganismos de interesse industrial

Processo: 15/24188-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Valéria Marta Gomes de Lima
Beneficiário:Felipe Bertolini Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Assunto(s):Biotecnologia   Bioprocessos   Fungos filamentosos   Biomassa   Exopolissacarídeos

Resumo

Os microrganismos tornaram-se importantes ferramentas em diversas pesquisas no âmbito da biotecnologia. No entanto, muitos bioprocessos tornam-se inviáveis devido aos altos custos e impactos ambientais. Lasiodiplodia theobromae é um fungo filamentoso, fitopatogênico de ampla distribuição no Brasil, que produz exopolissacarídeo (EPS), produto relevante ao nosso grupo de pesquisa. Em estudos anteriores evidenciou-se que a biomassa residual do cultivo L. theobromae apresenta riqueza nutricional e foi usada com sucesso como suplemento em cultivos para produção do EPS pelo próprio fungo. O presente trabalho tem como objetivo o uso da biomassa residual de L. theobromae como componente de meio de cultivo de alguns microrganismos de interesse industrial: os probióticos Lactobacillus casei, Bifidobacterium e Saccharomyces boulardii, e as cepas lipolíticas Burkholderia lata, Fusarium sp e Trichoderma harzianum, visando tanto o crescimento quanto a produção de metabólitos. Inicialmente, o fungo L. theobromae preservado a 4°C será inoculado em meio mínimo de VOGEL (1956), glicose (10 g/L) e ágar (20 g/L), e mantido a 28°C, 7 dias. O meio de cultivo para o pré-inóculo será composto de VOGEL e glicose (0,5 g/L), sendo posteriormente transferido para meio composto de VOGEL e sacarose (50 g/L), ambos em pH 5,8, agitação orbital de 180 rpm e incubação de 48 h e 72 h, respectivamente. A biomassa será separada por centrifugação (3800 rpm, 35 min), lavada com NaCl (0,15 mol/L), autoclavada (1 atm, 15 min), congelada, liofilizada, triturada e tamisada (0,5 a 1 mm). Serão formulados meios de cultivo com biomassa (10, 20 ou 40 g/L) e água destilada, onde um microrganismo diferente será inoculado, incubado e agitado a uma determinada condição de crescimento e tempo adequado. No projeto será utilizado o método de ninhidrina para determinação de Nitrogênio ±-amino, o método de Bradford para quantificação de proteínas, o método do fenol-sulfúrico para mensurar açúcares redutores e açúcar total, hidrólise do palmitato de p-nitrofenila (pNPP) para determinar atividade lipolítica. O crescimento celular será realizado por contagem de células em câmara de Neubauer e também por contagem de colônias em plaqueamento Pour Plate. Espera-se desta forma, verificar a viabilidade da utilização da biomassa de L. theobromae ser utilizada como componente de meio de cultivo, de baixo custo, para obtenção de produtos biotecnológicos de alto valor agregado.