Busca avançada
Ano de início
Entree

Metabolismo redox eritrocitário: implicações para o uso de melatonina no tratamento de pessoas com anemia falciforme

Processo: 15/25983-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2016
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Sayuri Miyamoto
Beneficiário:Danilo Grunig Humberto da Silva
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/07937-8 - Redoxoma, AP.CEPID
Assunto(s):Estresse oxidativo   Antioxidantes

Resumo

À medida que os eritrócitos emergem da medula óssea, os mesmos perdem toda a capacidade de divisão celular, de síntese de proteínas e lipídeos, e de fosforilação oxidativa. Apesar desta maquinaria metabólica limitada, as hemácias são capazes de realizar o seu papel funcional que envolve, principalmente, o transporte e fornecimento de oxigênio (O2) para os tecidos. Ao longo do caminho, as hemácias enfrentam i) choque osmótico; ii) a integridade de suas membranas é constantemente desafiada; iii) são expostas a efeitos pró-oxidantes de espécies reativas de oxigênio (ERO) produzidas na circulação; etc. Além disso, os glóbulos vermelhos apresentam ambiente interno com constante produção de ERO, cuja principal fonte geradora é a proteína transportadora de O2, a hemoglobina (Hb). Esta sofre auto-oxidação, produzindo meta-hemoglobina e radical superóxido. Com intuito de neutralizar o estresse oxidativo, os eritrócitos possuem um sistema de defesa antioxidante competente e autossustentável. Porém, hemácias falciformes que contém Hb com estrutura e propriedades físico-químicas alteradas (Hb S), apresentam geração incessante de agentes pró-oxidantes, comprometendo a capacidade destas células de lidar com o estresse oxidativo, o que resulta em um estado de desequilíbrio redox. Assim, a investigação de novos biomarcadores mais específicos e sensíveis relacionados ao metabolismo redox eritrocitário é válida e potencialmente útil, tanto para identificação de risco elevado de danos oxidativos, quanto para avaliação de novas terapias antioxidantes. Neste contexto, o presente estudo tem como objetivo avaliar possíveis efeitos moduladores diretos e indiretos do tratamento de melatonina sobre a metabolismo eritrocitário, usando uma suspensão de hemácias falcêmicas em um modelo experimental.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
HUMBERTO DA SILVA, DANILO GRUNIG; CHAVES, NAYARA ALVES; MIYAMOTO, SAYURI; DE ALMEIDA, EDUARDO ALVES. Prolonged erythrocyte auto-incubation as an alternative model for oxidant generation system. TOXICOLOGY IN VITRO, v. 56, p. 62-74, APR 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.