Busca avançada
Ano de início
Entree

Sirtuínas na neuropatologia da esquizofrenia: implicação contra a disfunção mitocondrial na hipóxia

Processo: 15/25595-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2016
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Tatiana Rosado Rosenstock
Beneficiário:Luiz Felipe Souza e Silva
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Medicina molecular   Epigênese genética   Esquizofrenia   Astrócitos   Sirtuínas   Mitocôndrias   Modelos animais

Resumo

O objetivo desse projeto é verificar o papel das sirtuínas (SIRTs), especificamente a sirtuina1, nuclear e 3, mitocondrial, na disfunção mitocondrial decorrente da hipóxia em diferentes modelos animais e celulares da Esquizofrenia (SHZ): astrócitos expostos a CoCl2 e de ratos SHR, spontaneous hypertensive rats. A importância desse projeto está no fato de que se sabe que um dos possíveis fatores associados com a SHZ é a hipóxia fetal; a hipóxia é definida como uma inadequada oxigenação do corpo ou parte dele devido à baixa tensão do oxigênio. Especificamente as mitocôndrias, que estão relacionadas com o metabolismo celular e que consomem de 85 a 90% de O2 para a produção de ATP, reagem a hipóxia alterando seu metabolismo e sua dinâmica. De fato, elas são organelas capazes de modificar constantemente sua forma e tamanho, para misturar seus metabolitos, bem como as cópias do DNA mitocondrial (DNAmt), numa tentativa de se ajustar as alterações e demandas energéticas. Por essa razão, o desequilíbrio entre todos esses processos, como ocorre durante a hipóxia, pode afetar negativamente a função mitocondrial e a proliferação, migração e diferenciação celular, além da formação de sinapses e da viabilidade neural. No entanto, a relação hipóxia versus SHZ ainda não está, de todo, determinada. Recentemente, a teoria de que alterações genéticas e/ou epigenéticas predispõem à ocorrência e/ou determinam uma maior sensibilidade a fatores ambientais a SHZ, como a hipóxia, está ganhando importância. Assim, a modulação das sirtuínas, lisinas deacetilases que influenciam a regulação de fatores de transcrição e de proteínas relacionadas ao metabolismo energético, seria uma nova estratégia terapêutica contra a SHZ. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Grupo investiga como falta de oxigênio na gestação pode causar esquizofrenia 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias: (13 total)
Mais itensMenos itens

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SOUZA E SILVA, LUIZ FELIPE; BRITO, MARIANA DUTRA; CAMARGO YUZAWA, JESSICA MAYUMI; ROSENSTOCK, TATIANA ROSADO. Mitochondrial Dysfunction and Changes in High-Energy Compounds in Different Cellular Models Associated to Hypoxia: Implication to Schizophrenia. SCIENTIFIC REPORTS, v. 9, DEC 2 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.