Busca avançada
Ano de início
Entree

Biomassa aérea de campo sujo pós fogo

Processo: 16/02442-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2016
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Alessandra Tomaselli Fidelis
Beneficiário:Vagner Augusto Zanzarini
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/06743-0 - Como a época do fogo afeta a vegetação do cerrado?, AP.JP
Assunto(s):Ecologia vegetal   Biomassa

Resumo

O Cerrado é um tipo de vegetação sob constante influência de distúrbio, sendo o mais importante a passagem recorrente de fogo. Um dos efeitos mais importantes do fogo é a remoção de biomassa, de espécies dominantes e a consequente abertura da vegetação. Acredita-se que a vegetação do Cerrado é muito resiliente ao fogo, principalmente o estrato herbáceo-arbustivo de fisionomias mais abertas, como os campos limpos, úmidos e campo sujo. Portanto, o bolsista TT-1 auxiliará na triagem de biomassa das parcelas experimentais da RNST, que serão queimadas em diferentes épocas do ano. Parcelas (quatro por tratamento) de 30x30 m serão queimadas experimentalmente em maio (queima precoce), em julho (queima modal) e em outubro (queima tardia). Em cada parcela experimental, amostras de biomassa de 0,5x0,5m serão coletadas antes de cada experimento e a cada seis meses (uma na estação seca, outra na estação chuvosa) ao longo de um ano. O material será acondicionado em campo em sacos de papel e em laboratório, serão triados em distintos grupos: herbáceas, graminóides, arbustos, biomassa morta (biomassa aérea) e raízes e órgãos subterrâneos (biomassa subterrânea). O material triado será colocado para secar em estufa a 70ºC durante três dias e posteriormente pesados. Espera-se que a regeneração da biomassa aérea seja diferente entre os distintos tratamentos, assim como sua relação com a biomassa subterrânea. Espera-se também que a proporção de biomassa subterrânea nestas áreas seja pelo menos duas vezes maior do que a biomassa aérea durante o tempo de observação.