Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do crescimento mixotrófico da Desmodesmus sp. usando vinhaça como fonte de carbono

Processo: 15/26266-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2016
Vigência (Término): 31 de março de 2017
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química
Pesquisador responsável:Rubens Maciel Filho
Beneficiário:Daniel Santos Fernandes
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Microalgas   Vinhaça   Biocombustíveis   Fotobiorreatores

Resumo

Atualmente, o setor ambiental tem enfrentado problemas quanto à emissão de gases do efeito estufa e também quanto a matérias-primas para biocombustíveis, as quais competem com a indústria alimentícia e possuem baixas reservas. Microalgas têm grande importância no desenvolvimento de biocombustíveis, uma vez que são ricas em lipídios, os quais são de grande importância para a produção de biodiesel. As microalgas podem crescer em vários tipos de meios de cultivo, desde que estes possuam os nutrientes suficientes que proporcionem a estocagem de metabólitos em suas células. A vinhaça é o subproduto da indústria do bioetanol e é, atualmente, utilizada para produzir energia em caldeiras, como fertilizante na agricultura ou também para a produção de biogás através de biodigestão. A vinhaça apresenta grande potencial como um meio de cultivo, já que possui altas quantidades de nitrogênio e carbono, se mostrando uma boa alternativa para ser matéria-prima para produção de biodiesel através de microalgas. Este trabalho de iniciação científica busca averiguar a viabilidade do uso da vinhaça como fonte de carbono para o crescimento e acúmulo de lipídios da microalga Desmodesmus sp. sob condições mixotróficas. Para isso, a taxa de aumento de biomassa, o consumo de carbono e nitrogênio, e a quantidade de lipídios acumulados nas células serão determinados utilizando vidrarias de laboratório e um fotobiorreator. Em seguida, o fotobiorreator será simulado no software Aspen Plus®, para obter um balanço de massa e de energia básico do processo.