Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos mecanismos envolvidos nas interações celulares estáticas e em fluxo das células endoteliais progenitoras circulantes (blood outgrowth endothelial cells, BOECs) de pacientes com Policitemia Vera

Processo: 16/05014-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2016
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Margareth Castro Ozelo
Beneficiário:Bárbara de Andrade
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/00984-3 - Doenças dos glóbulos vermelhos: fisiopatologia e novas abordagens terapêuticas, AP.TEM
Assunto(s):Hematologia   Policitemia vera   Células endoteliais   Células progenitoras endoteliais   Receptores de laminina   Estudo comparativo

Resumo

A policitemia vera (PV) é a síndrome mieloproliferativa mais comum, caracterizada pela formação de colônias eritróides in vitro independente de eritropoietina, e foi recentemente demonstrado estar associado na maioria dos casos, a uma mutação somática de ponto no gene da tirosina quinase JAK2 (JAK2 V617F). A eritrocitose é a manifestação clínica mais proeminente levando a sérias complicações, como eventos trombóticos, sendo frequente a ocorrências de trombose mesentérica e em sistema nervoso central. Recentemente, foi evidenciado que as hemácias JAK2 V617F de pacientes com PV apresentam expressão aumentada da glicoproteína Lu/BCAM (Lutheran/basal cell-adhesion molecule), receptor para a laminina de cadeia 5± presente em células endoteliais, o que estaria envolvido no aumento da adesão celular nesses pacientes e ocorrências dos eventos trombóticos. Neste estudo, pretendemos avaliar as propriedades adesivas estáticas e em fluxo das hemácias de pacientes com PV, às células endoteliais progenitoras circulantes (BOECs) isoladas desses pacientes, em comparação às células de indivíduos saudáveis. Ensaios de adesão semelhantes serão conduzidos com hemácias de indivíduos saudáveis e BOECs de pacientes com PV. Serão avaliadas nesse estudo as proteínas de expressão envolvidas nessas interações celulares, assim como as possíveis vias de sinalização que participam desse fenômeno. Faremos uma correlação entre as manifestações clínicas, o genótipo para JAK2 e o tipo de adesividade in vitro observada. (AU)