Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação das propriedades adesivas, pró-coagulantes e inflamatórias mediadas pelas interações in vitro das células endoteliais progenitoras circulantes de pacientes com doença falciforme

Processo: 16/05149-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2016
Vigência (Término): 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Margareth Castro Ozelo
Beneficiário:Ana Paula Racanelli
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/00984-3 - Doenças dos glóbulos vermelhos: fisiopatologia e novas abordagens terapêuticas, AP.TEM
Assunto(s):Anemia falciforme   Hematologia   Cultura de células   Células endoteliais

Resumo

A anemia falciforme é caracterizada pela presença em homozigose da hemoglobina S (HbS), que sob condições de hipóxia, sofre polimerização e adquiri a forma de foice. Desta forma, as hemácias anômalas são suscetíveis à hemólise e participam no processo vaso-oclusivo e lesão tecidual que representam os fenômenos principais dessa doença.Embora a ocorrência de falcização em condições de hipóxia seja considerada a explicação mais provável para o fenômeno de vaso-oclusão na anemia falciforme, é observado que esses pacientes apresentam oclusões vasculares mesmo fora período de privação de oxigênio, corroborando para a possibilidade da presença de outro mecanismo fisiopatológico. Recentemente nosso grupo pode demonstrar que células endoteliais progenitoras circulantes (BOECs) de pacientes com anemia falciforme apresentam maior adesividade, mesmo nos ensaios estáticos com hemáceas de indivíduos saudáveis, o que sugere um comprometimento específico das células endoteliais desses pacientes com anemia falciforme, mesmo sem que essas células tenham sofrido as alterações sistêmicas da doença (Sakamato, et al., 2013).Neste estudo, pretendemos avaliar as propriedades adesivas estáticas e em fluxo de células vermelhas (que contenham ou não HbS), às células endoteliais provenientes de pacientes com doença falciforme (HbSS e HbSC). As células endotelias serão obtidas através de duas técnicas, a) o isolamento e cultivo de células endoteliais progenitoras circulantes (Blood Outgrowth Endothelial Cells, BOECs) e b) através da diferenciação de células endoteliais a partir de células-tronco pluripotentes induzidas (CE-iPS). Como controle, utilizaremos BOECs de de indivíduos saudáveis e de pacientes portadores de outro quadro de anemia hemolítica (esferocitose hereditária) e de doença vaso-oclusiva (policitemia vera). Além disso, será avaliado a expressão pelas células endoteliais de marcadores inflamatórios e pró-coagulantes, incluindo o fator de von Willebrand (FvW) e sua interação com ADAMTS13, sob diferentes condições de cultura estática e em fluxo.