Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos da atividade quimiopreventiva do óleo de pequi (Caryocar brasiliense Camb) na hepatocarcinogênese e seu potencial efeito antineoplásico em linhagem HepG2

Processo: 16/01149-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Vigência (Término): 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Patologia Animal
Pesquisador responsável:Francisco Javier Hernandez Blazquez
Beneficiário:Simone Morais Palmeira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Caryocar brasiliense   Pequi

Resumo

O óleo de pequi possui atividade quimiopreventiva na hepatocarcinogênese com uso promissor no tratamento do câncer hepático. Uma vez que o carcinoma hepatocelular (CHC) é uma doença maligna com poucas opções de tratamentos eficazes, é importante a busca por terapias alternativas para o combate ao CHC. Portanto, este projeto tem como objetivos: (1) avaliar in vitro os mecanismos celulares e moleculares envolvidos no efeito quimiopreventivo do óleo de pequi na hepatocarcinogênese; (2) estabelecer um modelo in vitro de carcinogênese hepática que será utilizado para as avaliações do objetivo anterior e; (3) avaliar o possível efeito antineoplásico do óleo de pequi em linhagem tumoral humana HepG2. Para atingir os objetivos (1) e (2) serão realizadas as seguintes avaliações: efeito na comunicação celular mediada por conexinas pela técnica de microinjeção do marcador fluorescente lucifer yellow; estudo da proliferação celular pelo método MTT; estudo de apoptose por meio do corante acridina orange; efeito do óleo sobre a produção de ROS intracelular e os níveis das enzimas SOD, MDA e GSH-Px por modelo de estresse oxidativo mediado por peróxido de hidrogênio (H2O2); avaliação da expressão gênica de mediadores da inflamação como o NF-ºB, COX-2 e p53 por PCR em tempo real e também por imunofluorescência. Para o desenvolvimento do modelo experimental in vitro de carcinogênese hepática, será utilizado o carcinógeno aflatoxina B1. Os cultivos serão caracterizados quanto a taxa de proliferação celular, apoptose, capacidade de comunicação por junções do tipo gap e a expressão das conexinas 26, 32 e 43. Os tratamentos serão avaliados pela Análise de Variância (ANOVA).

Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (1 total):
Enquanto isso em Goiás: O pequi, o ouro do cerrado, pode fazer muito bem para a sua saúde (13/Out/2020)