Busca avançada
Ano de início
Entree

Medicina regenerativa utilizando queratinócitos e fibroblastos ou melanócitos para terapia celular em úlceras cutâneas de diferentes etiologias e vitiligo

Processo: 16/04945-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2016
Vigência (Término): 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Carolina Caliári Oliveira
Beneficiário:Isadora Silva Fernandes Custodio
Empresa:CC Oliveira Eireli - ME
Vinculado ao auxílio:15/01067-7 - Medicina regenerativa utilizando queratinócitos e fibroblastos ou melanócitos para terapia celular em úlceras cutâneas de diferentes etiologias e vitiligo, AP.PIPE
Assunto(s):Queratinócitos   Cicatrização   Fibroblastos   Terapia baseada em transplante de células e tecidos   Dermatologia

Resumo

A pele, o maior órgão do corpo humano, desempenha importantes funções na regulação térmica e prevenção da desidratação do organismo, além disso, atua como barreira contra infecções e diversos tipos de insultos mecânicos e químicos, protegendo o organismo ativamente, dessa forma, a perda da integridade da pele resulta em uma série de complicações para o indivíduo. Atualmente, o aumento da expectativa de vida dos indivíduos tem sido associado ao aumento da incidência de úlceras crônicas relacionadas principalmente à insuficiência venosa, arterial ou neuropatias, podendo estar associadas à outras patologias como o diabetes. Úlceras crônicas e lesões graves de pele como as ocasionadas por queimaduras extensas representam um desafio para os profissionais da área, acarretando em longos períodos de tratamento e altos custos para os sistemas de saúde. Diversas alternativas terapêuticas encontram-se disponíveis, porém existe uma lacuna terapêutica representada por pacientes refratários às terapias convencionais por isso, nos últimos anos a terapia celular tem ganho destaque nesses casos. Na prática clínica, a terapia com células autólogas oriundas da pele como queratinócitos e fibroblastos tem produzido bons resultados acelerando a cicatrização ou até mesmo cicatrizando úlceras crônicas. Mais recentemente a terapia com células mesenquimais, ainda em caráter experimental, tem sido uma aliada para diversas patologias que acometem a pele, enquanto melanócitos tem sido utilizados com sucesso para induzir o processo de repigmentação cutânea em pacientes com vitiligo. Dessa forma, o presente trabalho visa avaliar o potencial terapêutico da aplicação de melanócitos em pacientes com vitiligo e do coimplante de queratinócitos e fibroblastos em pacientes com úlceras crônicas de diferentes etiologias e queimaduras, bem como estruturar o Laboratório de Cultivo de Células da Pele-UNICAMP e implantar uma empresa a visando a padronização do processo terapêutico. A terapia celular representa o futuro do tratamento para patologias graves que acometem a pele e o interesse crescente nesse tipo de terapia requer suporte especializado para que a mesma esteja disponível em tempo hábil e de maneira segura. Assim, uma empresa constituída por Laboratório de Cultivo de Células da Pele viria ao encontro dessa nova tendência de mercado oferecendo a possibilidade de tratamento para esses pacientes.