Busca avançada
Ano de início
Entree

Deficiência de Vitamina D e alterações ósseas em mulheres portadoras de HIV/AIDS na pós-menopausa em uso crônico de antirretrovirais

Processo: 15/26836-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Vigência (Término): 30 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Lenice Do Rosário de Souza
Beneficiário:Márcia Cristina Todo
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Antirretrovirais   HIV   Doenças ósseas   Infectologia   Hiperparatireoidismo   Vitamina D

Resumo

A terapia antirretroviral (TARV) tem melhorado a longevidade e qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV/aids. Entretanto, ela está associada a várias complicações, tais como, osteopenia e osteoporose, por deficiência de vitamina D com consequente aumento dos níveis de paratormônio. Sabe-se que em mulheres na pós-menopausa a perda óssea é mais acentuada, devido à diminuição da produção de estrogênio. Assim, este estudo observacional e de corte transversal tem como objetivo estimar a prevalência de osteopenia e osteoporose em mulheres infectadas pelo HIV, na pós-menopausa, e sua relação com a deficiência de vitamina D, hiperparatireoidismo e uso crônico de TARV. A casuística será dividida em quatro grupos(G): G1: 30 mulheres na pós-menopausa, infectadas pelo HIV, incluídas antes da introdução de TARV. G2: 30 mulheres na pós-menopausa, infectadas pelo HIV, em uso regular de TARV há, pelo menos, seis meses. G3 (controle): 30 mulheres na pré-menopausa, infectadas pelo HIV. G4 (controle): 30 mulheres na pós-menopausa, não infectadas pelo HIV. A análise estatística descritiva será realizada, incluindo a distribuição de frequência para os dados categóricos e cálculo de medianas e intervalo interquartil para variáveis contínuas. A prevalência da densidade mineral óssea será calculada em função de frequência relativa. Odds ratio e intervalos de confiança de 95% serão calculados em análises bivariadas. A significância estatística considerada será de 5%.