Busca avançada
Ano de início
Entree

Nutrição, inflamação e resistência a insulina na doença renal crônica terminal

Processo: 16/03891-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado Direto
Vigência (Início): 13 de junho de 2016
Vigência (Término): 12 de setembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Dietética
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Beneficiário:Larissa Rodrigues Neto Angéloco Lourenço
Supervisor no Exterior: Alp Ikizler
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa: Vanderbilt University (VU), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:12/19475-6 - Ingestão proteica para o equilíbrio ácido básico em pacientes nos estágios 3 e 4 da Doença Renal Crônica, BP.DD
Assunto(s):Nefrologia   Inflamação   Inflamação crônica   Resposta inflamatória   Proteólise

Resumo

Elucidar os mecanismos pelos quais a inflamação crônica e a resistência à insulina influenciam o desenvolvimento de desnutrição energético-proteica em pacientes com doença renal crônica em fase terminal. O objetivo específico será testar a hipótese de que a inibição da resposta inflamatória pela administração de Anakinra ou o aumento da sensibilidade à insulina através da administração de Actos irá reduzir o catabolismo proteico. Métodos: Estudo duplo-cego, randomizado e controlado por placebo. Propõe-se estudar um total de 45 indivíduos com doença renal terminal. No início do estudo, os níveis de aminoácidos serão verificados por HPLC e o fluxo de sangue no braço será estimado utilizando pletismografia de capacitância. Então os sujeitos da pesquisa receberão uma injeção em bolus de NaH13CO3, leucina, fenilalanina e glicose para preparar o pool de CO2, leucina, fenilalanina e glicose. Depois de duas horas, iremos obter amostras de sangue a cada 10 minutos de 30 minutos para a determinação do turnover proteína. Aos 150 minutos, os pacientes receberão uma infusão de insulina e os níveis de aminoácidos serão verificados a cada 10 minutos, utilizando a metodologia HPLC. Após 240 minutos, obteremos amostras de sangue adicionais a cada 10 minutos de 30 minutos para novamente analisarmos o turnover de proteína. As amostras de sangue obtidas a cada 5 minutos para a glicose e a cada 10 minutos para as concentrações de aminoácidos ao longo do mesmo período de 30 minutos irá permitir a determinação da sensibilidade à insulina, bem como o funcionamento do metabolismo de proteínas. Uma vez que esta parte do estudo estiver concluído, vamos designar aleatoriamente os indivíduos a um dos grupos do estudo: (a) receberão uma injecção de anakinra e o placebo correspondente; (B) receberão administração oral de Actos e o placebo correspondente; (C) receberão administração oral e a injecção de placebo. Cada indivíduo será tratado por 2 meses. Os seguintes parâmetros serão avaliados no início, na quarta semana e no final do estudo para avaliar os efeitos dos medicamentos: parâmetros bioquímicos; resposta inflamatória; hormônios metabólicos; marcadores de estresse oxidativo; aminoácidos plasmáticos; ácidos graxos livres e composição corporal. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)