Busca avançada
Ano de início
Entree

Período de latência do tomato severe rugose vírus (ToSRV) e tomato chlorosis vírus (ToCV) e determinação do momento de aquisição dos vírus por Bemisia tabaci em tomateiro

Processo: 16/01628-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Jorge Alberto Marques Rezende
Beneficiário:Gabriel Madoglio Favara
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/51771-4 - Begomovírus e Crinivirus em Solanaceas: epidemiologia molecular e estratégias, AP.TEM
Assunto(s):Virologia   Crinivirus   Begomovirus   Coinfecção   Bemisia tabaci   Tomate

Resumo

Tomato chlorosis virus (ToCV), família Closteroviridae, gênero Crinivirus, e Tomato severe rugose virus (ToSRV), família Geminiviridae, gênero Begomovirus, são dois vírus que atualmente comprometem a produção de tomate (Solanum lycopersicum) no Brasil. O ToCV e o ToSRV possuem o mesmo vetor, a mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B, um inseto polífago e amplamente disseminado por todo país. Por este fato, infecções mistas destes vírus em lavouras de tomateiro estão se tornando cada vez mais frequentes. No entanto, pouco se sabe a respeito dos efeitos sinergísticos ou antagônicos desses vírus nas plantas duplamente infectadas, as alterações provocadas em parâmetros epidemiológicos importantes, como, por exemplo, o período de latência, o momento em que a planta se torna fonte de vírus para o vetor, os efeitos sobre a intensidade dos sintomas, bem como os danos ocasionados na produção. Neste trabalho pretende-se determinar o período de latência do ToSRV e ToCV em infecções simples e mista em tomateiro, em função da idade da planta na época da inoculação e também verificar o momento em que o tomateiro infectado pelo ToSRV e ToCV, separadamente ou em conjunto, se torna propício para aquisição do(s) vírus por B. tabaci biótipo B. Os resultados obtidos neste projeto fornecerão informações importantes do ponto de vista epidemiológico e poderão ser utilizados na elaboração de medidas de manejo que busquem minimizar os impactos provocados por estas fitoviroses na tomaticultura. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MADOGLIO FAVARA, GABRIEL; BAMPI, DAIANA; EDWARDS MOLINA, JUAN PABLO; MARQUES REZENDE, JORGE ALBERTO. Kinetics of Systemic Invasion and Latent and Incubation Periods of Tomato severe rugose virus and Tomato chlorosis virus in Single and Co-Infections in Tomato Plants. PHYTOPATHOLOGY, v. 109, n. 3, p. 480-487, MAR 2019. Citações Web of Science: 1.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
FAVARA, Gabriel Madoglio. Cinética da invasão sistêmica e períodos de latência e de incubação do Tomato severe rugose virus e Tomato chlorosis virus, em infecções simples e mista em tomateiro. 2018. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Piracicaba.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.