Busca avançada
Ano de início
Entree

Processos climáticos responsáveis pela variação da composição isotópica da precipitação na região Central do Estado de São Paulo -BR

Processo: 16/01195-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Vigência (Término): 30 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências
Pesquisador responsável:Didier Gastmans
Beneficiário:João Felipe Gromboni
Instituição-sede: Centro de Estudos Ambientais (CEA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Precipitação   Hidrologia isotópica   Isótopos estáveis

Resumo

As mudanças climáticas, e suas consequências, vem se constituindo um dos principais campos de pesquisas científicas da atualidade, e nesse sentido uma das ferramentas que tem sido utilizada na compreensão dos mecanismos responsáveis por essas mudanças, é o estudo composição isotópica da precipitação, e suas variações temporais. Os isótopos de Hidrogênio e Oxigênio, denominados isótopos ambientais devido a sua abundância no meio ambiente, por constituírem a molécula da água, são excelentes traçadores da sua movimentação ao longo do ciclo hidrológico, sendo utilizados como ferramentas auxiliares na interpretação dos controles climáticos sobre a precipitação, o que possibilita a sua utilização em estudos de reconstituição paleoclimática. Em áreas temperadas relações entre a composição isotópica da precipitação e parâmetros climáticos, como temperatura e quantidade da precipitação, são bem estabelecidos, entretanto em regiões tropicais, os fatores climáticos, que governam a composição isotópica da precipitação, permanecem questão controversa no seio da comunidade científica. Alguns autores propõem que a composição isotópica da precipitação é influenciada por aspectos de dinâmica climática local, outros advogam a importância de processos de escala global, do tipo destilação Rayleigh. Nesse sentido, o monitoramento contínuo da composição isotópica em diferentes escalas temporais é fundamental. Desde 2013 uma estação de coleta de água de chuva encontra-se instalada nas dependências do CEA/UNESP-Rio Claro, incorporada à rede GNIP, operada pela Agência Internacional de Energia Atômica e que tem por objetivo contribuir para a geração de dados isotópicos e químicos da precipitação incrementando a quantidade de dados para a compreensão das condições de circulação climática regional. O presente projeto de iniciação científica tem por objetivo avaliar a variação temporal da composição isotópica da precipitação (´2H e ´18O) na cidade de Rio Claro, e suas relações com parâmetros climáticos locais e regionais, buscando compreender os fatores climáticos governantes (locais ou regionais), complementando os resultados obtidos em projeto anterior de Iniciação Científica desenvolvido com auxílio da FAPESP.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.