Busca avançada
Ano de início
Entree

Paleobiologia da Bacia de Itajaí (Ediacarano? Santa Catarina): implicações evolutivas e paleoecológicas

Processo: 16/01827-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Paleozoologia
Pesquisador responsável:Mírian Liza Alves Forancelli Pacheco
Beneficiário:Bruno Becker Kerber
Instituição-sede: Centro de Ciências Humanas e Biológicas (CCHB). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Sorocaba , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/21886-0 - O alvorecer de ecossistemas complexos: desvendando e comparando aspectos de preservação excepcional entre as paleobiotas de Itajaí (Ediacarano, Brasil) e Francevillian (Paleoproterozóico, Gabão), BE.EP.DR
Assunto(s):Ediacarano

Resumo

No período Ediacarano, metazoários de corpo mole e com esqueletosbiocalcificados passaram a compor uma biosfera que enunciou algumas formas eestruturas ecológicas que perduraram e evoluíram nos ecossistemas fanerozoicos. ABiota de Ediacara tem representantes compilados em diversas partes do mundo,temporalmente estratificados nas assembleias Avalon, White Sea e Nama, cada qualcom suas peculiaridades evolutivas, paleoecológicas e, muitas vezes,paleoambientais. A história geológica da Terra têm demonstrado profundas relaçõesentre os padrões de evolução e diversificação da vida e as mudanças ambientais.Essas questões podem ser investigadas nos ambientes de deposição dos fósseisediacaranos, sendo capazes de revelar aspectos sinérgicos entre paleoautoecologia,paleosinecológica e paleoambiente, nessas assembleias. Neste contexto, a Bacia deItajaí, Santa Catarina, revela-se uma importante unidade geológica da América do Sul,com implicações paleontológicas que podem vir a compor a síntese de conhecimentossobre o alvorecer da vida animal no planeta e a estruturação de ecossistemasmarinhos. Seu registro apresenta fósseis de organismos megascópicos, associados aesteiras microbianas, compatíveis com a típica Biota de Ediacara, além de fósseis jáatribuídos ao Cambriano, como Choia e Chancelloria. Caso a presença de fósseisCambrianos em níveis Ediacaranos seja corroborada para a Bacia de Itajaí, istorepresentaria uma extensão bioestratigráfica recuada em ca. 40-50 Ma. para essestáxons. As implicações paleobiológicas de esponjas no Ediacarano, por exemplo, seriarevelada em impactos na engenharia de ecossistemas e possíveis rearranjosambientais resultantes das atividades desses organismos. Diante disso, este projetotem por objetivos: a) investigar a composição taxonômica, bem como sua variação, naBacia de Itajaí; b) verificar os momentos evolutivos e paleoecológicos da biota, nestaunidade; c) modelar o paleoambiente dos macrorganismos fosseis, por meio de algunsaspectos da tafonomia dos organismos e análise morfológica de Microbial InducedSedimentary Structures (MISS); e d) estabelecer comparações entre as rochas,cronologias e organismos fósseis das unidades brasileiras e rochas e fósseis similarese correlatas na Austrália, Inglaterra e Newfoundland, para melhor interpretação docontexto evolutivo desta biota. Para tanto, além das clássicas análises de observação,serão utilizadas técnicas paleométricas, como Micro-CT, Espectroscopia Raman,Fluorescência de Raios-x (XRF), Microscopia Eletrônica de Varredura acoplada comEspectroscopia de Dispersão de Raios-x (EDS). As datações serão realizadas pormeio das análises radiométricas SHRIMP de U/Pb.