Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos efeitos da hipóxia neonatal no desenvolvimento da esquizofrenia: papel do sistema adenosinérgico

Processo: 15/26820-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Vigência (Término): 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Mariana Bendlin Calzavara
Beneficiário:Aline Camargo Ramos
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Esquizofrenia   Hipóxia   Ratos endogâmicos SHR   Neurodesenvolvimento   Adenosina   Farmacologia

Resumo

Recentemente muita atenção tem sido voltada para o papel do neurodesenvolvimento na esquizofrenia. Acredita-se que a manifestação da esquizofrenia, reflexo do estado hiperdopaminérgico estriatal, seja o resultado final de modificações que emergem da interação entre fatores genéticos, ambientais e relacionados ao desenvolvimento neural ao longo da vida. A farmacoterapia da esquizofrenia baseada na hipótese dopaminérgica permanece insatisfatória para o tratamento dos sintomas negativos e déficits cognitivos relacionados a essa doença. Adenosina é um modulador homeostático que é capaz de afetar diferentes redes complexas como: vias dependentes de neurotransmissores, bioenergética e epigenética. Nesse sentido, a adenosina parece ser um candidato promissor na correção do desbalanço funcional encontrado na esquizofrenia, podendo influenciar os sistemas dopaminérgico e glutamatérgico. Evidências apontam para uma importante participação da adenosina no desenvolvimento neural e indicam um potencial envolvimento dessa substância na etiologia da esquizofrenia. A hipóxia perinatal é um dos mais bem estabelecidos fatores de risco para o desenvolvimento da esquizofrenia, entretanto, poucos são os estudos que tentam esclarecer os mecanismos relacionados à participação da hipóxia nas principais hipóteses fisiopatológicas da esquizofrenia. Sistemas submetidos à hipóxia tem o aumento de adenosina como uma das respostas adaptativas. Muitos desses efeitos revertem-se em alterações permanentes ainda não muito bem estabelecidas que parece ter um papel importante na fisiopatologia de inúmeras doenças, dentre elas a esquizofrenia. Modelos animais e celulares podem ser ferramentas interessantes para o estudo de intervenções como hipóxia perinatal e suas repercussões na função cerebral e comportamental que mimetizem as modificações subjacentes à esquizofrenia. Esse projeto tem como objetivo principal estudar os efeitos da hipóxia neonatal no desenvolvimento da esquizofrenia, avaliando o papel do sistema adenosinérgico nas modulações dos sistemas dopaminérgico e glutamatérgico.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
RAMOS, ALINE CAMARGO; HUNGRIA, FILIPE DE MATTOS; CAMERINI, BIANCA AVANSI; SUIAMA, MAYRA AKIMI; CALZAVARA, MARIANA BENDLIN. Potential beneficial effects of caffeine administration in the neonatal period of an animal model of schizophrenia. Behavioural Brain Research, v. 391, AUG 5 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.