Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos fatores prognósticos no tratamento cirúrgico da epilepsia infantil em uma série de casos da disciplina de neurocirurgia da Escola Paulista de Medicina

Processo: 14/24638-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2016
Vigência (Término): 30 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Ricardo Silva Centeno
Beneficiário:Daniela Macêdo de Moraes
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neurocirurgia   Epilepsia   Prognóstico   Fatores de risco

Resumo

Epilepsia é a desordem neurológica mais frequente no mundo, afetando cerca de 60 milhões de pessoas. Caracteriza-se pela presença de crises convulsivas recorrentes não provocadas por causa imediata identificável, com possíveis repercussões psiquiátricas e psicossociais e, em caso de pacientes pediátricos, no neurodesenvolvimento e cognição. Assim, como a refratariedade medicamentosa chega a um terço dos casos, o desenvolvimento de tratamentos alternativos é essencial, e a cirurgia para epilepsia já apresenta eficácia comprovada com ótimos resultados em pacientes devidamente selecionados, atingindo até 91% de taxa de sucesso. Porém, a literatura internacional não se apresenta clara sobre os fatores predisponentes a um bom prognóstico pós-operatório, principalmente em pacientes pediátricos. Dessa forma, nosso trabalho visa caracterizar a amostra pediátrica da Série de Epilepsia da Escola Paulista de Medicina, atualmente com 60 pacientes, de modo a avaliar os fatores prognósticos para melhor resultado cirúrgico desses indivíduos. Avaliaremos os fatores demográficos, clínicos, de imagem e cirúrgicos. Visa-se, a partir dessa melhor caracterização, uma inclusão mais precisa e eficiente dos pacientes como candidatos à neurocirurgia, possibilitando uma medida terapêutica mais rápida e, portanto, com melhores resultados em relação à frequência de crises convulsivas e à qualidade de vida futura dos pacientes e familiares.