Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência da temperatura sobre padrões ontogenéticos das estruturas alimentares em éfiras de Scyphozoa: implicações funcionais e ecológicas

Processo: 15/25142-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2016
Vigência (Término): 29 de abril de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:André Carrara Morandini
Beneficiário:Mayara de Almeida Jordano
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/24801-0 - Caracterização das estruturas umbrelares e alimentares ao longo do desenvolvimento de éfiras de Scyphozoa, BE.EP.MS
Assunto(s):Natação   Cnidários   Biomecânica   Medusozoa

Resumo

Medusas da classe Scyphozoa (~200 spp.) possuem uma diversidade morfológica aparentemente grande associada aos seus modos alimentares e hábitos de vida. O seu desenvolvimento inicial implica em uma drástica transição morfológica da éfira (estágio juvenil) até o adulto. Não se sabe se características do ambiente físico (e.g. temperatura e, consequentemente viscosidade) poderiam determinar formatos/dimensões funcionais das estruturas alimentares dessas medusas. Em organismos filtradores, dependendo da distância entre elementos coletores consecutivos, bem como do regime de fluidos, uma eventual sobreposição das camadas limite (boundary layers) ao redor das estruturas adjacentes poderia reduzir/inibir o fluxo através dos espaços filtradores. Dessa forma, mesmo uma estrutura porosa poderia atuar como uma barreira quase contínua, com baixa eficiência filtradora. Uma característica do ambiente fluido que afeta esse tipo de interação é a razão de importância entre as forças de viscosidade e inerciais, expressa pelo número de Reynolds (Re). Mudanças na temperatura alteram a viscosidade da água, de forma que quanto menor a temperatura (baixos valores de Re) aumenta a espessura da camada limite, ao passo que quanto maior a temperatura (maiores Re), as camadas limites recuam, o que pode aumentar a performance de filtragem. Embora alguns organismos possam compensar alterações no ambiente fluido através de respostas comportamentais ou morfológicas, nada se sabe se organismos filtradores poderiam responder a tais mudanças. O presente trabalho descreverá estágios de desenvolvimento iniciais de três espécies de medusas de Rhizostomeae (Lychnorhiza lucerna, Cassiopea andromeda e Cotylorhiza tuberculata) e uma de Semaeostomeae, Aurelia sp., com foco no desenvolvimento de seus braços orais filtradores. Será testada a hipótese de que diferentes temperaturas geram desenvolvimento diferenciado dos braços orais, que compensariam o efeito das variações na viscosidade para o seu funcionamento como filtros coletores. As espécies serão submetidas a diferentes temperaturas e serão fotografadas desde a fase de éfira até atingirem a morfologia adulta. Estruturas dos braços orais serão medidas e os valores obtidos serão comparados e analisados entre os tratamentos experimentais. Além disso, serão quantificadas características das interações entre animal e fluidos (e.g. velocidade das correntes alimentares) durante a natação e alimentação dos indivíduos sob os respectivos tratamentos.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
JORDANO, MAYARA DE A.; MORANDINI, ANDRE C.; NAGATA, RENATO M. Is phenotypic plasticity determined by temperature and fluid regime in filter-feeding gelatinous organisms?. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology, v. 522, JAN 2020. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
JORDANO, Mayara de Almeida. Desenvolvimento de éfiras de Scyphozoa (Cnidaria, Medusozoa) e sua interação com o ambiente fluido. 2018. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.