Busca avançada
Ano de início
Entree

Teatro e abolição: a dramaturgia de Arthur rocha

Processo: 16/03610-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2016
Vigência (Término): 31 de maio de 2018
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Teoria Literária
Pesquisador responsável:Orna Messer Levin
Beneficiário:Renata Romero Geraldes
Instituição-sede: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/07342-9 - A circulação transatlântica dos impressos: a globalização da cultura no século XIX, AP.TEM
Assunto(s):Teatro brasileiro   Século XIX   Abolicionismo

Resumo

Esta pesquisa se propõe a estudar a dramaturgia do gaúcho Arthur Rodrigues da Rocha (1859 - 1888) para além da província do Rio Grande do Sul, focalizando a circulação e recepção das peças a partir do seu envolvimento com os ideais abolicionistas. Embora estivesse inserido no meio intelectual e artístico do Rio Grande do Sul e fosse conhecido no país, a obra de Arthur Rocha não consta atualmente das Histórias do Teatro Brasileiro. Filho único de um mulato envolvido com as artes cênicas, ele seguiu os passos do pai, conciliando a vida de escritor com a profissão de redator de importantes periódicos na sua terra natal. Como dramaturgo, teve um papel relevante no movimento abolicionista, a partir da década de 1870, participando de sociedades culturais e abolicionistas, como a Sociedade Parthenon Litterario. Suas peças foram encenadas e publicadas durante o século XIX. O sucesso nos palcos se deve primordialmente à interpretação da atriz Julieta dos Santos, que excursionou pelas províncias de Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco, Maranhão e Pará. Esse projeto de pesquisa pretende analisar a representação do negro nos dramas O Filho Bastardo (1876), José (1878), Deus e Natureza (1882), A Filha da Escrava (1883) e Os Filhos da Viúva (1884), situando Arthur Rocha no repertório abolicionista de sua época. A metodologia do trabalho, na perspectiva da História Cultural, lança mão de fontes primárias, tais como catálogos de livreiros, anúncios de espetáculos e textos críticos veiculados na imprensa, a fim de reconstituir as circunstâncias de criação, circulação e recepção das peças de teor antiescravagista.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
GERALDES, Renata Romero. Teatro e escravidão : a poética abolicionista na dramaturgia de Arthur Rocha. 2018. Dissertação de Mestrado.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.