Busca avançada
Ano de início
Entree

A voz na Ars bene dicendi do Brasil:Uma análise dos discursos sobre a voz em compêndios de retórica e manuais de fala pública (séculos XIX e XXI)

Processo: 16/03770-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Linguística Histórica
Pesquisador responsável:Carlos Félix Piovezani Filho
Beneficiário:Ana Paula Zanesco Salgado
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Análise do discurso   Século XXI   Voz   Século XIX   Retórica

Resumo

O presente projeto busca identificar o que se diz sobre a voz humana e como são formulados os enunciados a seu respeito no campo da oratória, a partir de uma abordagem discursiva e comparativa. Visamos descrever, interpretar e cotejar os discursos sobre a voz em obras de retórica e de comunicação oral, produzidas em duas condições de produção distintas. Fundamentados na Análise do discurso, derivada dos trabalhos de Michel Pêcheux e seu grupo, aos quais serão agregadas contribuições oriundas de estudos da História das ideias linguísticas, pretendemos identificar regularidades discursivas a propósito da voz e depreender as diferenças de constituição, formulação e circulação existentes nesses dizeres sobre seus usos e efeitos, mediante um cotejamento entre dois contextos históricos e entre dois gêneros discursivos diversos. Mais precisamente, nosso propósito é o de responder às seguintes questões a respeito dos discursos produzidos e/ou reproduzidos no Brasil acerca da voz: o que, como e por que se fala da voz nos compêndios de retórica do século XIX e nos manuais de fala pública do século XXI? Quais são os enunciados que circulavam no passado e quais são os enunciados que circulam atualmente nos dizeres sobre a voz? Fala-se igualmente da voz em épocas, ideologias e gêneros discursivos distintos? Há e quais são as rupturas e as continuidades nos dizeres sobre as funções da voz? Há variações no tratamento que lhe é dispensado em obras de uma mesma contemporaneidade? No intuito de formularmos respostas a essas questões, analisaremos três compêndios de retórica do século XIX e três manuais de fala pública do século XXI.