Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da ativação do receptor de hidrocarbonetos de arila sobre a (dis)função endotelial

Processo: 16/09830-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 28 de setembro de 2016
Vigência (Término): 27 de março de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Pesquisador responsável:Rita de Cassia Aleixo Tostes Passaglia
Beneficiário:Pedro Afonso Barreto Ferreira
Supervisor no Exterior: Nikolaos Stergiopulos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : École Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL), Suíça  
Vinculado à bolsa:15/11742-3 - O papel do receptor de hidrocarbonetos de arila na instabilidade ou vulnerabilidade da placa aterosclerótica, BP.MS
Assunto(s):LDL-Colesterol   HDL-Colesterol   Aterosclerose

Resumo

A aterosclerose, uma doença arterial sistêmica e crônica que envolve alterações na camada endotelial das artérias de grande e médio calibre, é caracterizada pelo acúmulo de células inflamatórias, restos celulares e lipídicos que levam a formação de um núcleo necrótico, que posteriormente será envolvido por células musculares lisas que irão compor uma cápsula fibrosa, responsável pela estabilidade da placa. Para que este processo ocorra, é necessário que o endotélio vascular esteja disfuncional. A injuria crônica sob a camada endotelial, gerada por alterações hemodinâmicas, pela hipercolesterolemia e por processos inflamatórios, resulta na disfunção endotelial. Este endotélio lesado, passa a expressar moléculas de adesão, como as integrinas (I-CAM e V-CAM) e selectinas (E-Selectina), além disso, começa a expressar e liberar marcadores inflamatórios, como a IL-1 beta, IL-6 e MCP-1, resultando no aumento da permeabilidade e consequente deposição de LDL na camada subendotelial. As moléculas de LDL e OxLDL são capazes de ativar o Receptor de Hidrocarbonetos de Arila (AHR), um fator de transcrição ativado por ligantes, que está envolvido em processos fisiológicos, no metabolismo de dioxinas, em processos inflamatórios e na instalação e manutenção de doenças cardiovasculares. Até o momento, os mecanismos quais LDL e OxLDL ativa o AHR e medeia a expressão de marcadores inflamatórios envolvidos no processo de formação da placa aterosclerótica não foram elucidados. Diante disto, a hipótese do presente projeto é que a ativação do AHR mediada por LDL e oxLDL em células endoteliais resulta no aumento da expressão de moléculas de adesão, como I-CAM, V-CAM e E-selectina, e de citocinas pró-inflamatórias, com IL-1 beta e IL-6, contribuindo para a disfunção endotelial e para o processo de formação e progressão da placa aterosclerótica. Para isto, serão utilizadas células endoteliais da veia umbilical humana (HUVEC) tratadas com FICZ (6-formylindolo[3,2-b]carbazole,L) e TCDD (2,3,7,8-Tetrachlorodibenzo-p-dioxin), agonistas AHR, na presença ou ausência do CH223191 (1-Methyl-N-[2-methyl-4-[2-(2-methylphenyl)diazenyl]phenyl-1H-pyrazole-5-carboxamide), antagonista AHR, ou com LDL e OxLDL na presença e ausência do CH223191. Além disso, O papel do AHR nestas células será investigado através do uso da técnica de RNA de interferência, e a expressão e atividade deste receptor, das moléculas de adesão, e citocinas pró-inflamatórias, serão avaliadas pelas técnicas de PCR em tempo real e Western Blot. Este estudo contribuirá para a compreensão do papel do AHR nas células endoteliais e na disfunção endotelial, evento inicial para a formação da placa aterosclerótica.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.