Busca avançada
Ano de início
Entree

Formação, transformação e evolução da crosta continental inferior: investigando o Orógeno Brasília Meridional

Processo: 16/10276-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2016
Vigência (Término): 31 de outubro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Renato de Moraes
Beneficiário:Rafael Gonçalves da Motta
Supervisor no Exterior: Ian Christopher William Fitzsimons
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Curtin University, Austrália  
Vinculado à bolsa:15/22355-0 - Formação, transformação e evolução da crosta continental inferior: investigando o Orógeno Brasília Meridional, BP.DR
Assunto(s):Petrologia

Resumo

O tempo de duração da ocorrência do metamorfismo de alto grau é necessário para associar os dados petrológicos com contextos tectônicos. Na ausência de informações geocronológicas, apenas a forma das trajetórias P-T não é capaz de indicar o tipo de tectônica associada ao metamorfismo. Zircão, monazita e titanita são fases acessórias comuns em muitos tipos de rocha, incluindo aquelas que estiveram sob condições de metamorfismo de alto grau. Esses minerais são portadores de U-Th-Pb e possuem diferentes temperaturas de fechamento nesse sistema geocronológico, portanto, é possível obter com precisão trajetórias P-T-t de rochas de alto grau metamórfico. Além disso, o estudo da composição de elementos traços dessas fases pode ser utilizado para entender o crescimento e a temperatura de formação desses minerais, bem como se os mesmos estão em equilíbrio químico com fases formadoras da rocha em cálculos termobarométricos. O sistema isotópico Lu-Hf em zircão fornece informações relativas ao tempo da diferenciação química entre a crosta e o manto, sendo uma poderosa ferramenta para integrar processos ígneos e metamórficos. Análises in situ dessas fases, com LA-ICP-MS e SHRIMP, permitem a conexão e determinação de diferentes estágios de crescimento mineral com alta resolução espacial, conectando-os com um determinado período da história ígnea ou metamórfica. O projeto será realizado na Universidade de Curtin, Perth, Austrália, sob a supervisão do Prof. Ian Fitzsimons, que possui expertise em petrologia e geocronologia, além da aplicação de ambas à tectônica. Essa abordagem será usada como base para investigar a gênese, deformação e exumação de granulitos, charnockitos e migmatitos da Nappe Socorro-Guaxupé e sua infraestrutura, no Orógeno Brasília Meridional, Minas Gerais, Brasil.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.