Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação clínica de gatos com sepse grave e choque séptico admitidos no Serviço Intensivo de Monitorização do HOVET-USP no período de 2011-2016

Processo: 16/05434-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2016
Vigência (Término): 30 de junho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Silvia Renata Gaido Cortopassi
Beneficiário:Yumi Hirai
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anestesiologia   Síndrome de resposta inflamatória sistêmica   Sepse   Choque séptico   Felidae   Frequência cardíaca   Exame físico   Avaliação clínica

Resumo

Definida como a resposta inflamatória sistêmica resultante de um processo infeccioso, a sepse é um desafio não apenas em Medicina, mas também em Medicina Veterinária devido a sua alta morbidade e mortalidade. As poucas pesquisas já realizadas indicaram que gatos com sepse podem apresentar letargia, mucosas pálidas, dor abdominal difusa, taquipnéia, bradicardia, pulso fraco, anemia, hipoalbuminenia, hipotermia e icterícia. Porém, os gatos parecem possuir manifestações únicas em relação a outras espécies, como a bradicardia mesmo na fase hipodinâmica da sepse. Portanto, o objetivo do presente estudo consiste em avaliar as manifestações clínicas apresentadas por gatos com sepse. Para tanto, serão analisados os dados de exame físico e de exames laboratoriais de gatos com sepse grave e choque séptico admitidos no Serviço Intensivo de Monitorização do HOVET USP no período de 2011 a 2016 (grupo de gatos com sepse - GS). Os dados de exame físico compreenderão frequência cardíaca, frequência respiratória, pressão arterial sistólica, temperatura retal, tempo de preenchimento capilar, coloração de mucosas, grau de hidratação e sensibilidade à palpação abdominal. Os exames laboratoriais abrangerão hemograma e bioquímica sérica dos animais. Serão utilizados os dados de outros 20 gatos saudáveis como controle (grupo de gatos hígidos - GH).