Busca avançada
Ano de início
Entree

Determinação da estrutura de glicanas presentes em glicoproteínas do intestino de Spodoptera frugiperda

Processo: 16/09511-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 30 de julho de 2016
Vigência (Término): 29 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:Clelia Ferreira Terra
Beneficiário:Felipe Jun Fuzita
Supervisor no Exterior: Catherine E. Costello
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Boston University (BU), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:14/14183-2 - Membranas microvilares intestinais e suas vesículas secretoras no Lepidoptera Spodoptera frugiperda e no Diptera Musca domestica, BP.PD
Assunto(s):Glicômica   Glicosilação   Microvilosidades   Spodoptera

Resumo

Glicosilação é provavelmente a modificação pós-traducional mais comum em proteínas. A glicana ligada à proteína pode apresentar uma variedade de funções indo desde interações parasita-hospedeiro até adesão celular e resposta imune. Na última década, glicômica e glicoproteômica baseada em espectrometria de massas surgiram como um novo e importante campo de pesquisa devido a avanços na tecnologia de espectrômetros de massas, que permitiram o uso desta técnica para obtenção de informação estrutural de carboidratos. Contudo, em insetos, apenas pouca informação estrutural sobre glicanas ligadas a proteínas está disponível. A maior parte do conhecimento está relacionada a genes ortólogos de humanos que expressam glicosiltransferases e lectinas, com uma grande falta de informação estrutural das glicanas, as quais certamente possuem um importante papel na fisiologia dos insetos. Por exemplo, muitas proteínas presentes nas microvilosidades do intestino de insetos são glicosiladas. Entre elas estão proteínas que são alvos de endotoxinas Cry produzidas pela bactéria entomopatogênica Bacillus thuringiensis. Esses alvos proteicos, denominados receptores de toxinas Cry (RTC), têm suas glicanas reconhecidas por essas toxinas como uma importante parte do processo. Apesar disso, até o presente momento, não informação estrutural sobre glicanas presentes em RTCs. O uso de toxinas Cry é uma importante estratégia de controle de pragas agrícolas, incluindo Spodoptera frugiperda, uma vez que essas toxinas são inócuas em plantas e vertebrados. Portanto, o objetivo deste estudo é a caracterização glicômica e glicoproteômica de RTCs e outras proteínas ancoradas por GPI (glicosilfosfatidilinositol) nas microvilosidades do intestino da praga agrícola Spodoptera frugiperda. Como objetivo secundário, a mesma abordagem será usada para obter a estrutura de glicanas presentes em proteínas tipo mucina presentes no intestino de Spodoptera frugiperda, abrindo portas para comparação entre mucinas de insetos e humanos, sendo que as últimas podem ser usadas para propósitos biotecnológicos como revestimento de biomateriais. (AU)